Mala de viagem com crianças: o que muda conforme elas crescem

quinta-feira, 8 de julho de 2021

"Os dias são longos mas os anos são curtos" - há muita verdade e sabedoria nessa frase quando aplicada à infância dos nossos filhos. Só quem já foi responsável por um bebê (ou mais de um) sabe o quanto seria bom que o dia tivesse mais horas, pois o trabalho é braçal e sem fim. Conforme eles crescem, as necessidades mudam e o trabalho também. Atualmente com uma pré-adolescente de 11 e uma criança de 8 anos em casa (mais um enteado de 18 anos esporadicamente), costumo dizer que o trabalho é muito mais gerencial que operacional, uma vez que eles já conseguem fazer quase tudo sozinhos - só é preciso lembrá-los disso umas 1876544598 vezes ao dia 😄
uma malinha dentro de outra

Assim como a rotina muda conforme as crianças crescem, o jeito de viajar e a mala de viagem também mudam muito. Aqui começamos a viajar muito cedo com eles: nossa malinha mais velha tinha apenas 2 meses quando viajamos pela primeira vez, de carro, e na primeira viagem longa, já de avião, ela tinha apenas 6 meses e meu enteado 7 anos. Além disso, como nossas famílias moram em outras cidades, eles desde bebês estão acostumados a viajar algumas horas de carro. Foram muitos aprendizados e perrengues nesses quase 12 anos de estrada, e muitas as mudanças na bagagem desde então.

Quando são bem pequeninos, nossa maior preocupação quando viajamos com eles é deixá-los confortáveis e manter, na medida do possível, a rotina à qual estão acostumados: horários de mamar, comer e dormir, por exemplo, devem ser respeitados para que todos aproveitem a viagem com tranquilidade.
Com bebês até 1 ano a mala de viagem tem que contemplar todas as necessidades, pois a vida é uma surpresa constante: mamadeiras e leite em pó (bebês que mamam no peito nos salvam desses itens), fraldas, lencinho umedecido, chupetas, brinquedos preferidos, cadeirinha para o carro, carrinho, sling ou canguru, uma farmacinha com remédios para todas as possibilidades, roupas para todas as estações e todos os dias (em dobro ou triplo, pois eles se sujam muito). Há que se pensar bem nos horários e nos meios de locomoção, pois ninguém quer andar quilômetros com um bebê de 10 kg no braço, e também (tentar) estar preparado para todos os imprevistos. Por outro lado, estando alimentados e confortáveis, é possível aproveitar muito a viagem e fazer vários programas de adulto.
primeira viagem

Um item que usamos muito com os dois malinhas nessa fase (e até uns 3 ou 4 anos) foi o berço portátil - ele se dobrava inteiro e o carregávamos para todo canto quando viajávamos de carro. Ter um carrinho leve, do tipo guarda-chuva, também é essencial para a mala de viagem do bebê, tornando os passeios mais confortáveis para todos.
entretenimento a bordo

Então os bebês crescem um pouquinho e a mala de viagem muda - muitas das tralhas continuam as mesmas, mas normalmente a partir de um ano de idade tem-se um pequeno ser caminhante que muitas vezes quer andar sozinho por aí e já não dorme tanto durante o dia. Minha teoria (baseada na minha própria experiência) é que a idade compreendida entre 1 e 2 anos é a mais difícil para sair de casa, em todos os sentidos. Uma questão é que eles não podem (nem devem) comer qualquer comida, o que dificulta o momento das refeições. Outro ponto é que estão se tornando independentes e querem explorar os ambientes sozinhos, o que pode gerar escândalos homéricos - nessa idade ainda estão desenvolvendo a capacidade de comunicação e nem sempre é fácil entender o que querem. Há que se ter muito cuidado também com os perigos dos ambientes: fios, tomadas, objetos que quebram e toda uma infinidade de riscos que em casa são controlados, mas fora dela... E mesmo gostando de viajar, nessa fase a preguiça do trabalho que dá sair de casa pode acabar vencendo a vontade.
malinhas de viagem podem ir na caçamba!

Mas se o plano for vencer a preguiça, na mala de viagem devem constar algumas comidas congeladas, além das fraldas, lencinho umedecido, várias trocas de roupa e outros itens que a criança estiver acostumada. Em caso de uma viagem de poucos dias, é possível levar todas as refeições congeladas numa bolsa térmica, e nos lanchinhos servir frutas (que podem ser encontradas em qualquer lugar). Nosso caçula era muito chatinho pra comer até bem pouco tempo atrás, e nessa idade sempre levávamos vários potinhos de comida congelada (além do leite e do copinho que ele usava, o que nos salvou em várias ocasiões que ele não queria comer nada).
lanchinho no trem

E aí aquele bebê cresce e se torna mais independente e comunicativo. Considero o intervalo entre 3 e 7 anos o melhor para viajar com as crianças - normalmente topam tudo, já comem de tudo, dá para explicar o que vai acontecer em cada lugar e eles vão entender. A mala de viagem já diminui significativamente - não há mais necessidade de fraldas, por exemplo, pois normalmente aos 3 anos já desfraldaram. Mas um item que continua essencial e salva qualquer imprevisto é o lencinho umedecido, que até hoje carrego na bolsa. O berço portátil e o sling ou canguru já não são mais necessários, nem a comida congelada. Nessa idade, os itens mais importantes na mala de viagem são roupas e sapatos confortáveis e alguns brinquedos preferidos, de preferência numa mochilinha que eles mesmos preparem e carreguem. Para viagens de carro, um DVD portátil ou tablet com filmes garante horas de entretenimento, assim como livros de pintar, petiscos e joguinhos que não precisem de muito espaço. 
Mas nessa idade a cadeirinha do carro ainda é item muito importante! Quando viajamos de avião e vamos alugar um carro no destino para onde estamos indo, despachamos as cadeirinhas - a maioria das companhias aéreas não cobra nada por isso.
cada um na sua cadeirinha

Finalmente as criancinhas crescem e se tornam mocinho(a)s prestes a entrar na pré-adolescência! A mala de viagem fica infinitamente mais simples e se torna cada vez mais parecida com a dos adultos. A dica para as idades entre 8 e 12 anos é envolvê-los no preparo da mala e na escolha das roupas e sapatos. Nessa idade normalmente também entram os eletrônicos com força total, por isso os carregadores não podem faltar na mala de viagem. Eu costumo delegar para os malinhas que preparem uma mochilinha com brinquedos, livros e outras coisas que queiram levar, tanto para se distraírem no caminho quanto para usarem no destino.
cada um com sua mochila

Se o destino for praia ou lugares onde ficarão muito tempo ao ar livre, boné, protetor solar, óculos de sol e repelente são essenciais - é bom incentivar que eles próprios se encarreguem de lembrar desses itens. Nessa idade eles gostam de se sentir independentes, por isso delegue o máximo de tarefas para que eles se envolvam na viagem antes mesmo dela começar. Ah! E é bem possível que a mala de viagem volte mais cheia que na ida, pois coisas novas quase sempre são adquiridas durante as viagens (aqui eles amam trazer "lembrancinhas" 😁 me pergunto de quem puxaram isso? 😜)
nossos três malinhas em foto recente

E depois dos 12 anos? A mala de viagem definitivamente ficará bem parecida com a sua. Inclusive se prepare para ter que interferir no preparo da mala, pois eles querem levar só as roupas e sapatos que gostam (normalmente aquelas que não tiram do corpo) 😄 No caso das meninas, absorventes não podem faltar na mala de viagem, pois é bem comum os ciclos serem desregulados no início da adolescência, e ninguém quer ser pego de surpresa, não é? No caso dos meninos, muitos deixam de usar sunga na piscina/praia e preferem bermudas, por isso é importante colocar várias bermudas de secagem fácil na mala. Lembrando que adolescentes são temperamentais e podem não gostar das suas escolhas ou do que o resto da família usa, então a partir dessa idade é importante encorajá-los a fazerem a própria bagagem, incluindo a necéssaire com produtos pessoais - desodorante (importantíssimo!), escova de dentes, escova de cabelo, xampu e condicionador, maquiagem ou aparelho de barbear - caso contrário a culpa do esquecimento será sua.

Ah, e independente da idade, um item essencial na mala de viagem sempre é a farmacinha. Remédios de uso contínuo, analgésicos e antitérmicos, anti-histamínicos, soro fisiológico, termômetro, band-aids... esses são os básicos, mas cada família tem sua listinha, adaptada à idade e necessidades dos membros da família, e ao local e tempo da viagem.

👉 Quer ler mais sobre Mala de Viagem? Este post é parte de uma blogagem coletiva sobre o tema! Mais uma blogagem do Grupo 8on8, onde um grupo de blogs desenvolve um tema comum, ilustrando com apenas 8 fotos e publicando no dia 8 de cada mês. Confiram os demais posts: 
📌 Chicas Lokas na estrada | O que não pode faltar na bagagem de mão
📌 Dani Turismo | Como fazer a mala?
📌 Destinos Por Onde Andei… | A mala ideal para cada viajante
📌 Mulher Casada Viaja | Regras de Bagagem de Trem na Europa


📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍
Planeje sua viagem! 
Utilizando os links dos nossos parceiros abaixo, você não paga nada a mais e nos ajuda a continuar produzindo conteúdo bacana e atualizado.
🚗 Alugue um carro aqui: Rentcars
🛫 Compre passagens aéreas aqui: Passagens Promo
🏥 Contrate o seguro viagem aqui: Seguros Promo - use o cupom ENTREMOCHILAS5 e ganhe 5% de desconto!
📚 Compre livros e muito mais aqui: Amazon
📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍

- Salve essa imagem no seu Pinterest 👇-

24 comentários:

  1. Nossa, este post me deu saudades, me rendeu boas lembranças de minhas viagens com minha ex bebê e as gigantescas e pesadas malas mais bolsas que eu levava!!! E agora, tomei ciência do quanto isso mudou, as malas são realmente mais simples, menores, mais leves. Mas a simplicidade de hoje me atrai muito! Mas, independente das malas mais complexas ou mais leves,é sempre possível e agradável viajar com os pequenos. Adorei seu post Viajar com crianças - o que muda na bagagem conforme elas crescem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também tive saudades conforme escrevia! Saudades deles bebês, mas não das malas enormes hahaha

      Excluir
  2. Bota aí umas 1876544598 vezes ao dia. Caramba, que audição seletiva, só ouvem o que lhes interessa, hahaha.
    Tenho um pré-adolescente em casa, ele não liga nada para o que eu coloco na mala, só não se esquece do carregador do telemóvel (celular). E está um viajante cada vez mais simplista, por causa das vezes que usamos companhias aéreas low-cost. A roupa de uma semana cabe numa mochilinha...
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Audição seletiva é mesmo o termo correto hahaha mas que bom que ele consegue viajar com pouco, aqui em casa ainda querem carregar a casa, principalmente quando viajamos de carro.

      Excluir
  3. E como muda a mala de viagem, Cintia! Realmente, conforme as crianças crescem suas preferências mudam e suas roupas também. O duro é o peso da mala que parece que nunca fica menor, já que antes eram muitos itens e depois de grandes, as roupas são de adulto e eles querem levar tudo do armário. kkkk
    Nem pensar em escolher a roupa do adolescente. Nunca consigo acertar. kkkk
    Adorei o post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Cecília! Minha filha de 11 anos já está usando as minhas roupas, daqui pra frente essa tendência só vai aumentar...

      Excluir
  4. Adoro ler posts com dicas de como viajar com as crianças. Ainda não sou mãe, mas ainda quero ser :-) Como eu viajo muito, já vou me atualizando desse novo universo.
    Pensei em comprar um berço portátil não só para as viagens, mas para o quarto do bebê também. Vi que na linha Montessoriana, depois de 6 meses, as crianças já podem dormir em camas baixas, então um berço gigante seria desperdício de dinheiro, além de ocupar muito espaço no quarto...

    Lencinho umedecido é vida durante a viagem. Não só para as crianças, mas para imprevistos, como:
    - para quando os banheiros não têm papeis;
    - para limpar as mãos antes das refeições, quando não há um local adequado;
    - para quando se sente muito suada durante o dia... anyway, eles têm muita serventia :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lencinho umedecido é vida mesmo!! O berço portátil foi a nossa melhor compra para viagens, de longe... ainda mais que usamos com os dois - a hora que a mais velha deixou de usar, o caçula já herdou.

      Excluir
  5. Que legal esse post, me fez lembrar das viagens que fiz em familia e me dei conta que as bagagens mudaram muito mesmo. Adorei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como filho a gente se lembra menos, mas ainda assim tem noção de como a mala de viagem muda, não é mesmo?

      Excluir
  6. Saudades dos bebês, né? Lembro que nas viagens a mala era cheia de papinhas, sem falar que tinha carrinho, cadeirinha, uma bagagem enorme, rs. Realmente vai mudando da fase bebê, criança e quando eles crescem mais. Cada fase uma descoberta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá saudades dos bebês, mas não de toda a bagagem hahaha

      Excluir
  7. Menina, é muita coisa pra pensar em levar na bagagem das crianças!!! Pelo menos nessa parte a adolescência dá um alívio né? rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, melhora na bagagem mas eles se tornam mais "malas" que nunca kkkk

      Excluir
  8. É pura verdade dizer que a mala de viagem muda a com o crescimento das crianças. Também viajo com minhas filhas de desde muito pequenas e senti isso na pele. E hoje as minhas também já viajam sozinhas e eu ajudo a arrumar as malas, enfim, tudo mudo e a gente vai aprendendo com isso.

    ResponderExcluir
  9. Hoje os eletrônicos reduziram a carga! Eu levava brinquedinhos, livros, joguinhos, giz de cera e cadernos para distrair minha filha durante os voos ou em roadtrips, e até para usar no hotel. Com o entretenimento de bordo e o smartphone - e ela crescidinha - esses itens foram abandonados. As malas mudam ao longo dos anos não só por causa da idade deles, né, Cintia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concorrer com os eletrônicos é difícil... mas ainda insisto rsrsrs

      Excluir
  10. Mala de viagem com crianças é para ser pensado com carinho mesmo, porque os pequenos exigem mais itens do que nós nas viagens. Sempre bom se preparar com antecedência para não esquecer nada, em qualquer fase da vida deles, já que estão sempre em desenvolvimento, em cada fase necessidades diferentes, não é?

    ResponderExcluir
  11. Adorei a ideia do seu post! As crianças crescem e as malas vão mesmo mudando! Uma amiga contou que precisou levar feijão congelado para os bebês em uma viagem internacional rs Eu também sempre carrego lencinhos umedecidos na mala e na bolsa do cotidiano!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A importância do lencinho umedecido foi um dos meus maiores aprendizados da maternidade hahaha

      Excluir
  12. Sempre viajei com o meu filho e viajar com bebê é muita função né? Agora ele tá fazendo 11 anos e tá beeem mais tranquilo. Também acho essencial levar remédios, sempre levo o necessário para emergências, sigo as orientações do meu marido que é médico. Parabéns, me identifiquei bastante com o conteúdo da postagem. Bjs, Mari

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com 11 anos a bagagem fica fácil, o difícil é convencer a fazer os programas juntos kkk aqui tá osso!

      Excluir