Para viajar sem sair de casa - 10 biografias de mulheres incríveis

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Aos poucos os lugares vão reabrindo (não vou entrar no mérito do julgamento se o momento é adequado ou não), mas a vida está longe de estar normal. A liberdade de ir e vir - e passear e viajar do jeito que gostamos - ainda não voltou e é possível que demore ainda um bom tempo até possamos sair de casa novamente sem preocupações. Enquanto isso, viajamos de outro jeito! Aquela velha maneira de viajar sem sair de casa através da leitura ainda continua em alta por aqui e achei que valia a pena fazer uma lista de 10 biografias interessantíssimas de mulheres marcantes - já há algum tempo me comprometi a ler mais autoras e histórias de mulheres, e tenho conseguido cumprir essa resolução com sucesso. 
O que essas mulheres extraordinárias têm em comum? Todas elas, sejam em que época tenham vivido (ou estejam vivendo), de alguma forma alteraram o destino esperado delas - e é exatamente o que torna a vida delas tão interessante.

1- Rita Lee - Uma Autobiografia (Rita Lee, ed. Globo Livros)
Rita Lee é uma das cantoras mais importantes e revolucionárias do cenário musical brasileiro - eu me lembro até hoje do escândalo que eram suas atitudes consideradas "pouco femininas", ou do choque que causou aquela icônica capa de disco onde ela e seu marido Roberto de Carvalho estão sem roupa. Rita Lee marcou minha infância pois minha irmã adorava as músicas dela, e cresci ouvindo Baila Comigo e Nem Luxo, Nem Lixo - me intrigavam as letras irreverentes e os duplo sentidos que não entendia na época 😊 Nessa autobiografia escrita pela própria Rita, podemos acompanhar sua infância e toda a sua trajetória pessoal e artística, contadas de maneira muito bem-humorada. Hoje, já septuagenária, ela vive reclusa com seu marido e muitos bichos num sítio, mas com a pandemia ela tem aparecido bastante nas redes sociais e participado de várias lives, sempre com aquele seu humor cáustico e irreverente.
Super recomendo esse livro, mesmo para quem não é fã.

2- A assinatura de todas as coisas (Elizabeth Gilbert, ed. Alfaguara)
Essa é uma biografia mas de um personagem fictício 😏 Este livro, da mesma autora do mundialmente famoso Comer, Rezar, Amar, é a história de vida de uma botânica, baseada em diversas mulheres botânicas que viveram no século XIX: Alma Whittaker, filha única e herdeira de grande fortuna nascida nos EUA no início dos anos 1800. Criança curiosa, acaba seguindo os passos do pai nas ciências naturais e após uma estranha e trágica relação com um jovem desenhista de orquídeas, ela sai pelo mundo para descobrir seu paradeiro. Inúmeros são os paradigmas quebrados por Alma, numa época em que mulheres não estudavam, não viajavam, e muito menos eram reconhecidas pelo seu trabalho científico. Mesmo não sendo real, Alma é uma mulher incrível e muito além do seu tempo.

3- Minha História (Michelle Obama, ed. Objetiva)
Tenho a maior admiração pelo casal Obama e fiquei muito curiosa em ler a biografia de Michelle assim que foi lançada. Contada em primeira pessoa num tom intimista mas sem ser exageradamente emocional, ela começa na sua infância e vai até o fim do segundo mandato do marido, quando deixam a Casa Branca. O retrato que aparece é de uma mulher muito inteligente, com uma formação familiar sólida e totalmente ciente do papel que teve nas eleições e ao longo dos 2 mandatos de Barack Obama, com um olhar muito crítico à sociedade americana. Acho impressionante a consciência que ela demonstra desde o começo do poder de influência e de transformação que teve, e ainda tem, ao mesmo tempo que procurava preservar a vida pessoal da família o mais normal possível. Uma mulher forte e determinada que foi muito além do papel de primeira-dama tradicional.

4- Mamãe & Eu & Mamãe (Maya Angelou, ed. Rosa dos Tempos)
A norte-americana Maya Angelou foi uma escritora, poetisa e ativista dos direitos civis, figura muito influente na cultura afroamericana dos EUA, autora de diversos livros autobiográficos. Neste livro em específico ela aborda a relação com sua mãe, de quem ficou afastada até os 13 anos, numa jornada de reconciliação com altos e baixos, mas sempre com o amor como base. Eu pessoalmente fiquei muito impressionada com a figura da mãe de Maya, Vivian Baxter, uma mulher forte e determinada, empresária dos mais diversos ramos e que ao longo da vida não se deixa abater por nada.

5- Miss Brontë (Juliet Gael, ed. Larousse)
Esse livro é a biografia romanceada de Charlotte Brontë, autora inglesa do consagrado romance Jane Eyre. Baseado nos fatos conhecidos de sua vida a autora acrescenta detalhes, explorando sua relação com o único irmão, as duas irmãs e o pai viúvo, bem como sua trajetória para publicar seus livros e de suas irmãs e seu tardio casamento (tardio para a época, pois tinha apenas 37 anos). Ela morreu cerca de um ano após o casamento, grávida do primeiro filho. É o retrato da Inglaterra vitoriana, uma época bastante hostil para as mulheres que se atrevessem a ser mais que esposas e mães, e é muito interessante observar o embate de Charlotte ao longo do livro, entre os seus reais desejos e o que ela julgava serem suas obrigações para com o pai e a sociedade. Depois de ler esse livro tive que reler Jane Eyre, pois não me lembrava dos detalhes, e impressiona a semelhança entre a autora e sua mais famosa personagem.

6- Nosso lugar - O caminho que me levou à luta por mais mulheres na política (Tabata Amaral, ed. Companhia das Letras)
Tabata Amaral é uma jovem deputada federal - na verdade a mais jovem - eleita pelo estado de São Paulo nas últimas eleições. À época das eleições fiquei impressionada com seu discurso e sua firmeza, apesar de ter apenas 24 anos - dei a ela meu voto e passei a acompanhá-la desde então. Nascida na periferia de São Paulo, teria a trajetória de tantas outras crianças de periferia pobre se não houvesse se destacado na escola, o que a levou a ganhar inúmeros prêmios acadêmicos e uma bolsa em uma ótima escola de São Paulo. Isso abriu o caminho para que ela conseguisse estudar e se formar em Harvard, uma das universidades mais renomadas do mundo. Apesar de tão pouca idade, ela tem uma clareza de pensamento e de propósitos que muito marmanjo velho nunca vai ter, além da força de vontade de se aventurar na política - que se tornou razão maior desse livro, servir de inspiração para outras mulheres. Sua intenção nessa curta autobiografia é provar que a educação pode abrir oportunidades a todos, e que é urgente e necessário que o cenário político brasileiro tenha maior participação das mulheres e mais diversidade em geral. É um retrato muito atual do Brasil e uma leitura inspiradora principalmente para os mais jovens.

7- Vidas Muito Boas - As vantagens do fracasso e a importância da imaginação (J.K. Rowling, ed. Rocco)
Escrito pela consagrada autora da saga Harry Potter, esse livrinho não é bem uma biografia . e sim uma versão do famoso discurso que a autora deu como paraninfa na Universidade de Harvard em 2008. Escrito em primeira pessoa, ela se baseia em suas próprias experiências pessoais e seus fracassos para criar um texto muito inspirador, exaltando a importância da criatividade humana como fator essencial para sermos capazes de praticar a empatia. Um livro baseado num discurso pode parecer até enfadonho, mas esse é muito bem escrito - nem se podia esperar menos de J. K. Rowling - e dá vontade de mantê-lo na cabeceira, para ser lido quando se precisa de um soprinho de otimismo (que todos estamos precisando ultimamente, não é mesmo?)

8- A saideira: Uma dose de esperança depois de anos lutando contra a dependência (Barbara Gancia, ed. Planeta) 
Neste livro, a jornalista Barbara Gancia conta sua trajetória na luta contra o alcoolismo, entremeada de histórias tragicômicas e mesclando suas experiências profissionais e pessoais. De maneira leve e até divertida mas ainda assim com seriedade, ela intercala trechos de sua vida com reflexões sobre o vício, e todo o caminho que percorreu até admitir que de fato tinha um problema com a bebida. Embora as histórias sejam contadas de forma engraçada, é inegável a seriedade com que Barbara encarou seu vício e assim conseguiu mantê-lo sob controle. Acho que todos que um dia já conviveram ou ao menos conheceram um alcoólatra vão reconhecer diversos comportamentos e atitudes, assim como o sofrimento e desgaste familiar que o alcoolismo causa. Um livro tocante sem ser piegas.

9- Eu sou Malala (Malala Yousafzai, ed. Companhia das Letras)
A jovem Malala ganhou destaque mundial quando foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 2014 - e ganhou. Símbolo da luta pelo direito das meninas à educação, neste livro podemos acompanhar a trajetória dessa jovem paquistanesa, nascida no Vale do Swat, desde sua infância até seu autoexílio na Inglaterra. Ao longo da sua história vamos entendendo um pouco da história da região, alvo de disputa de vários povos diferentes por conta de sua geografia, e como isso afetou a vida dos habitantes dali - inclusive a de Malala, proibida pelo Talibã de ir à escola, assim como todas as meninas. Defensora da educação para todos desde pequena, aluna exemplar, filha de um professor e criadora de um blog em inglês pelo qual ficou conhecida no ocidente, ela acabou sofrendo um atentado do Talibã em 2012 e quase morreu. Dois anos depois, ganhou o Nobel e continua militando em prol da educação, sendo uma das vozes mais influentes no mundo sobre esse assunto.

10- Elza (Zeca Camargo, ed. Leya)
Essa é uma biografia-homenagem, onde Zeca Camargo conta a história de Elza Soares mesclando detalhes de sua vida com pequenas inserções de lembranças da própria. O projeto editorial do livro é maravilhoso (amantes de livros físicos entenderão!), desde a fonte utilizada até as lindas fotos que aparecem em meio à narrativa. Elza Soares é um ícone da música brasileira e influência para muitos cantores, mas teve uma vida atribulada e cheia de altos e baixos. Uma menina pobre que se casou e foi mãe muito cedo, enviuvou igualmente cedo, se tornou amante de um ídolo do futebol (com quem depois se casou) e lidou com seu alcoolismo, perdeu a mãe num acidente trágico, perdeu outro filho em outro acidente, entrou em depressão.... as tragédias são tantas que poderiam constar numa novela mexicana, mas ela parece sempre renascer de alguma maneira. Aos 90 anos (não declarados) continua ativa, embora tenha sérios problemas de locomoção após uma queda durante um show e só consiga se apresentar sentada, e mais que nunca é reconhecida pelo seu talento e sua marca no meio artístico. Mesmo quem não conhece sua música a fundo, como eu, se impressiona com sua trajetória de vida e seu talento para passar pelas adversidades.

💡 Dicas de uma leitora experiente 
✔  Como livros não são exatamente baratos, fazer trocas é uma ótima opção para obter novos exemplares e girar a roda da leitura! Alguns dos livros desta lista eu acabei comprando, mas outros troquei pelo Skoob, uma rede social direcionada à troca de livros.
✔ Aproveite as promoções! Sites como a da livraria Saraiva e a Amazon fazem promoções com frequência, especialmente em datas especiais como Dia das Mães, Natal... Já fiz ótimas compras para mim e para as crianças aproveitando promoções. Sites de sebos como o Estante Virtual também podem ser uma boa opção para comprar livros mais em conta.
✔ Comprar e-books também normalmente sai mais em conta que comprar livros físicos - eu inclusive adquiri um Kindle neste período de isolamento em casa, porque me incomodava ler no tablet. Embora goste mais dos livros em papel, os livros eletrônicos abrem todo um leque novo de possibilidades, além de serem mais práticos para carregar por aí e não ocuparem espaço em casa nem na bolsa (ou mala).

Mais dicas para viajar sem sair de casa? Tem vários posts aqui no blog:

- Salve essa imagem no seu Pinterest 👇-

2 comentários:

  1. nossa adorei a dica dessas biografias, as mulheres sao incriveis mesmo rsrs. servem de inspiracao! ja escolhi uma para começar. obrigada ;)

    ResponderExcluir
  2. Sensacional essa sua lista e fiquei me perguntando como não li esses livros. Post salvo e vou ter que ler todos eles.
    obrigada por compartilhar

    ResponderExcluir