Mala de viagem com crianças: o que muda conforme elas crescem

quinta-feira, 8 de julho de 2021

"Os dias são longos mas os anos são curtos" - há muita verdade e sabedoria nessa frase quando aplicada à infância dos nossos filhos. Só quem já foi responsável por um bebê (ou mais de um) sabe o quanto seria bom que o dia tivesse mais horas, pois o trabalho é braçal e sem fim. Conforme eles crescem, as necessidades mudam e o trabalho também. Atualmente com uma pré-adolescente de 11 e uma criança de 8 anos em casa (mais um enteado de 18 anos esporadicamente), costumo dizer que o trabalho é muito mais gerencial que operacional, uma vez que eles já conseguem fazer quase tudo sozinhos - só é preciso lembrá-los disso umas 1876544598 vezes ao dia 😄
uma malinha dentro de outra

Assim como a rotina muda conforme as crianças crescem, o jeito de viajar e a mala de viagem também mudam muito. Aqui começamos a viajar muito cedo com eles: nossa malinha mais velha tinha apenas 2 meses quando viajamos pela primeira vez, de carro, e na primeira viagem longa, já de avião, ela tinha apenas 6 meses e meu enteado 7 anos. Além disso, como nossas famílias moram em outras cidades, eles desde bebês estão acostumados a viajar algumas horas de carro. Foram muitos aprendizados e perrengues nesses quase 12 anos de estrada, e muitas as mudanças na bagagem desde então.

Quando são bem pequeninos, nossa maior preocupação quando viajamos com eles é deixá-los confortáveis e manter, na medida do possível, a rotina à qual estão acostumados: horários de mamar, comer e dormir, por exemplo, devem ser respeitados para que todos aproveitem a viagem com tranquilidade.
Com bebês até 1 ano a mala de viagem tem que contemplar todas as necessidades, pois a vida é uma surpresa constante: mamadeiras e leite em pó (bebês que mamam no peito nos salvam desses itens), fraldas, lencinho umedecido, chupetas, brinquedos preferidos, cadeirinha para o carro, carrinho, sling ou canguru, uma farmacinha com remédios para todas as possibilidades, roupas para todas as estações e todos os dias (em dobro ou triplo, pois eles se sujam muito). Há que se pensar bem nos horários e nos meios de locomoção, pois ninguém quer andar quilômetros com um bebê de 10 kg no braço, e também (tentar) estar preparado para todos os imprevistos. Por outro lado, estando alimentados e confortáveis, é possível aproveitar muito a viagem e fazer vários programas de adulto.
primeira viagem

Um item que usamos muito com os dois malinhas nessa fase (e até uns 3 ou 4 anos) foi o berço portátil - ele se dobrava inteiro e o carregávamos para todo canto quando viajávamos de carro. Ter um carrinho leve, do tipo guarda-chuva, também é essencial para a mala de viagem do bebê, tornando os passeios mais confortáveis para todos.
entretenimento a bordo

Então os bebês crescem um pouquinho e a mala de viagem muda - muitas das tralhas continuam as mesmas, mas normalmente a partir de um ano de idade tem-se um pequeno ser caminhante que muitas vezes quer andar sozinho por aí e já não dorme tanto durante o dia. Minha teoria (baseada na minha própria experiência) é que a idade compreendida entre 1 e 2 anos é a mais difícil para sair de casa, em todos os sentidos. Uma questão é que eles não podem (nem devem) comer qualquer comida, o que dificulta o momento das refeições. Outro ponto é que estão se tornando independentes e querem explorar os ambientes sozinhos, o que pode gerar escândalos homéricos - nessa idade ainda estão desenvolvendo a capacidade de comunicação e nem sempre é fácil entender o que querem. Há que se ter muito cuidado também com os perigos dos ambientes: fios, tomadas, objetos que quebram e toda uma infinidade de riscos que em casa são controlados, mas fora dela... E mesmo gostando de viajar, nessa fase a preguiça do trabalho que dá sair de casa pode acabar vencendo a vontade.
malinhas de viagem podem ir na caçamba!

Mas se o plano for vencer a preguiça, na mala de viagem devem constar algumas comidas congeladas, além das fraldas, lencinho umedecido, várias trocas de roupa e outros itens que a criança estiver acostumada. Em caso de uma viagem de poucos dias, é possível levar todas as refeições congeladas numa bolsa térmica, e nos lanchinhos servir frutas (que podem ser encontradas em qualquer lugar). Nosso caçula era muito chatinho pra comer até bem pouco tempo atrás, e nessa idade sempre levávamos vários potinhos de comida congelada (além do leite e do copinho que ele usava, o que nos salvou em várias ocasiões que ele não queria comer nada).
lanchinho no trem

E aí aquele bebê cresce e se torna mais independente e comunicativo. Considero o intervalo entre 3 e 7 anos o melhor para viajar com as crianças - normalmente topam tudo, já comem de tudo, dá para explicar o que vai acontecer em cada lugar e eles vão entender. A mala de viagem já diminui significativamente - não há mais necessidade de fraldas, por exemplo, pois normalmente aos 3 anos já desfraldaram. Mas um item que continua essencial e salva qualquer imprevisto é o lencinho umedecido, que até hoje carrego na bolsa. O berço portátil e o sling ou canguru já não são mais necessários, nem a comida congelada. Nessa idade, os itens mais importantes na mala de viagem são roupas e sapatos confortáveis e alguns brinquedos preferidos, de preferência numa mochilinha que eles mesmos preparem e carreguem. Para viagens de carro, um DVD portátil ou tablet com filmes garante horas de entretenimento, assim como livros de pintar, petiscos e joguinhos que não precisem de muito espaço. 
Mas nessa idade a cadeirinha do carro ainda é item muito importante! Quando viajamos de avião e vamos alugar um carro no destino para onde estamos indo, despachamos as cadeirinhas - a maioria das companhias aéreas não cobra nada por isso.
cada um na sua cadeirinha

Finalmente as criancinhas crescem e se tornam mocinho(a)s prestes a entrar na pré-adolescência! A mala de viagem fica infinitamente mais simples e se torna cada vez mais parecida com a dos adultos. A dica para as idades entre 8 e 12 anos é envolvê-los no preparo da mala e na escolha das roupas e sapatos. Nessa idade normalmente também entram os eletrônicos com força total, por isso os carregadores não podem faltar na mala de viagem. Eu costumo delegar para os malinhas que preparem uma mochilinha com brinquedos, livros e outras coisas que queiram levar, tanto para se distraírem no caminho quanto para usarem no destino.
cada um com sua mochila

Se o destino for praia ou lugares onde ficarão muito tempo ao ar livre, boné, protetor solar, óculos de sol e repelente são essenciais - é bom incentivar que eles próprios se encarreguem de lembrar desses itens. Nessa idade eles gostam de se sentir independentes, por isso delegue o máximo de tarefas para que eles se envolvam na viagem antes mesmo dela começar. Ah! E é bem possível que a mala de viagem volte mais cheia que na ida, pois coisas novas quase sempre são adquiridas durante as viagens (aqui eles amam trazer "lembrancinhas" 😁 me pergunto de quem puxaram isso? 😜)
nossos três malinhas em foto recente

E depois dos 12 anos? A mala de viagem definitivamente ficará bem parecida com a sua. Inclusive se prepare para ter que interferir no preparo da mala, pois eles querem levar só as roupas e sapatos que gostam (normalmente aquelas que não tiram do corpo) 😄 No caso das meninas, absorventes não podem faltar na mala de viagem, pois é bem comum os ciclos serem desregulados no início da adolescência, e ninguém quer ser pego de surpresa, não é? No caso dos meninos, muitos deixam de usar sunga na piscina/praia e preferem bermudas, por isso é importante colocar várias bermudas de secagem fácil na mala. Lembrando que adolescentes são temperamentais e podem não gostar das suas escolhas ou do que o resto da família usa, então a partir dessa idade é importante encorajá-los a fazerem a própria bagagem, incluindo a necéssaire com produtos pessoais - desodorante (importantíssimo!), escova de dentes, escova de cabelo, xampu e condicionador, maquiagem ou aparelho de barbear - caso contrário a culpa do esquecimento será sua.

Ah, e independente da idade, um item essencial na mala de viagem sempre é a farmacinha. Remédios de uso contínuo, analgésicos e antitérmicos, anti-histamínicos, soro fisiológico, termômetro, band-aids... esses são os básicos, mas cada família tem sua listinha, adaptada à idade e necessidades dos membros da família, e ao local e tempo da viagem.

👉 Quer ler mais sobre Mala de Viagem? Este post é parte de uma blogagem coletiva sobre o tema! Mais uma blogagem do Grupo 8on8, onde um grupo de blogs desenvolve um tema comum, ilustrando com apenas 8 fotos e publicando no dia 8 de cada mês. Confiram os demais posts: 
📌 Chicas Lokas na estrada | O que não pode faltar na bagagem de mão
📌 Dani Turismo | Como fazer a mala?
📌 Destinos Por Onde Andei… | A mala ideal para cada viajante
📌 Mulher Casada Viaja | Regras de Bagagem de Trem na Europa


📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍
Planeje sua viagem! 
Utilizando os links dos nossos parceiros abaixo, você não paga nada a mais e nos ajuda a continuar produzindo conteúdo bacana e atualizado.
🚗 Alugue um carro aqui: Rentcars
🛫 Compre passagens aéreas aqui: Passagens Promo
🏥 Contrate o seguro viagem aqui: Seguros Promo - use o cupom ENTREMOCHILAS5 e ganhe 5% de desconto!
📚 Compre livros e muito mais aqui: Amazon
📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍

- Salve essa imagem no seu Pinterest 👇-

Férias escolares de julho - sugestões de viagens e passeios perto de São Paulo

segunda-feira, 28 de junho de 2021

As férias escolares estão aí e, apesar do alívio de 1) as férias de julho estarem acontecendo no mês certo, ao contrário do ano passado, e 2) a vacinação ter dado uma acelerada e muitos adultos já terem tomado a primeira dose, a vida está longe de estar normal para quem gosta de viajar nessa época. Mas isso não significa que não dê para passear um pouco com as crianças e aproveitar as férias, especialmente em locais ao ar livre.
Inspirada por uma amiga que me pediu sugestões de lugares próximos para ir com a família em segurança, fiz uma lista de viagens curtas e passeios até 300 km de São Paulo, tentando fugir dos destinos de inverno mais tradicionais (e consequentemente, mais cheios) e priorizando locais mais sossegados e menos usuais para essa época. A preferência foi também listar lugares que já conhecemos e/ou já estivemos nesse período de pandemia, para ter a certeza de não indicar nenhuma roubada.

O primeiro lugar que indicamos é
São Lourenço, no sul de Minas Gerais, um local já normalmente procurado por quem quer sossego e que faz parte do Circuito das Águas. Um dos melhores passeios na cidade é o Parque das Águas, com mais de 400 mil m2 de área e 9 fontes de água mineral com diferentes propriedades. Ali dá para caminhar, andar de pedalinho no lago, passear tranquilamente e fazer a criançada correr muito. Outra atração bastante conhecida é o Trem das Águas, uma viagem de 10 km até a vizinha Soledade de Minas num trem conduzido por uma antiga locomotiva a vapor. Dá também para visitar a vizinha Caxambu que, por também fazer parte do Circuito das Águas, tem seu próprio Parque das Águas, com cerca de metade do tamanho do parque de São Lourenço mas que possui 12 fontes de água mineral.
Passamos um feriado prolongado em São Lourenço há alguns anos com os malinhas pequenos e fizemos todos esses passeios tranquilamente. Como dica de hospedagem, deixo a sugestão da Vila Chico Hotel Fazenda, que foi onde nos hospedamos. Eles ampliaram bastante o espaço, mas os chalezinhos continuam uma graça (e são bem afastados uns dos outros) e o atendimento é nota 10.
Parque das Águas de São Lourenço
Estação Ferroviária de São Lourenço
Parque das Águas de Caxambu

Na mesma vibe de cidadezinha sossegada e com cara de interior, a próxima indicação é São Luiz do Paraitinga. Localizada a 180 km de São Paulo, na estrada que liga Taubaté a Ubatuba, a cidade tem uma história de renascimento pois seus monumentos históricos foram muito afetados por uma grande enchente em 2010 e totalmente reconstruídos depois dessa tragédia. Dá para fazer um bate-volta e conhecer somente o centro histórico, ou se hospedar na cidade e aproveitar seus arredores - São Luiz tem também várias opções de ecoturismo.
Temos um post completo para um dia na cidade aqui: Roteiro pelo centro de São Luiz do Paraitinga com 2 malinhas
Coreto no centro de São Luiz do Paraitinga
Igreja Matriz
Casa de Oswaldo Cruz

Vizinha de Campos do Jordão mas sem toda aquela badalação (e aglomeração), Santo Antonio do Pinhal tem várias atrações bacanas e perfeitas para aproveitar o clima de inverno da região da serra da Mantiqueira. Um dos que mais gostamos de visitar foi o Jardim dos Pinhais Ecoparque, um parque com jardins temáticos do mundo todo que as crianças vão amar (nosso pequeno dinolover gostou especialmente de uma parte da trilha que tem réplicas de dinos de vários tamanhos).
Outro passeio muito famoso na cidade é o Pico Agudo, local frequentado por praticantes de voo livre e que tem uma vista espetacular da região toda (vale o aviso que nessa época o pico pode ficar cheio nos finais de semana!).
Contamos sobre Santo Antonio do Pinhal aqui: O que fazer em Santo Antonio do Pinhal, na serra da Mantiqueira
Jardim dos Pinhais Ecoparque
Estação ferroviária Eugenio Lefèvre
Pico Agudo

Também na serra da Mantiqueira, mas bem distante das aglomerações de inverno de Campos do Jordão e Monte Verde, fica a sossegada Gonçalves. A cerca de 200 km de São Paulo, a própria estradinha que leva à cidade é uma atração por si só de tão linda. Também com aquela carinha de interior, conta com muitas opções de restaurantes e hotéis-fazenda, aproveitando sua localização privilegiada no alto da serra.
Dá para fazer um bate-volta ou se hospedar por lá e aproveitar as trilhas e cachoeiras. Contamos como foi passear um dia por lá neste post: Um dia em Gonçalves com 2 malinhas e a família do blog Trilhas e Cantos conheceu muitas cachoeiras e conta tudo neste post: O que fazer em Gonçalves, Minas Gerais
Gonçalves vista da estrada
Igreja Matriz de Gonçalves
Ruas sendo preparadas para a procissão de Corpus Christi

Outra opção na serra da Mantiqueira mas pouco conhecida de quem não mora por perto é São Francisco Xavier, um distrito de São José dos Campos a cerca de 150 km da capital. Contando com apenas uma rua principal, tem muitas opções de ecoturismo e turismo rural. Uma boa opção de hospedagem é a Pouso do Rochedo - afastada da região central, tem opção de quartos ou chalés e conta com um roteiro de trilhas dentro da propriedade, com lindas cachoeiras e mirantes incríveis. Fomos a dois mas é uma ótima opção para famílias também, e contamos tudo neste post: São Francisco Xavier - dicas de pousada, trilhas e restaurantes
São Francisco Xavier do alto
Lago na Pouso do Rochedo
Cachoeira em uma das trilhas

Se a ideia for fugir da montanha e curtir os lindos dias de céu azul do inverno na praia, são duas as indicações que podemos dar, ambas no litoral norte: Boracéia, localizada entre Bertioga e São Sebastião, e a Lagoinha, em Ubatuba.

A praia de Boracéia tem muitas vantagens para quem quer fugir de aglomerações e está com crianças: tem mais de 5 km de extensão, é plana, o mar é calmo e não conta com quiosques fixos, só vendedores ocasionais (que são bem raros fora da temporada de verão). Deixo aqui também a indicação de hospedagem: a pousada HB Point fica praticamente em frente à praia (basta atravessar a rodovia e andar poucos metros numa trilhinha bem demarcada), tem acomodações boas, ótimo café da manhã e excelente atendimento.
Todos os detalhes de Boracéia estão neste post: Praia de Boraceia num fim de semana com 2 malinhas
Acesso à praia de Boraceia
Praia só para nós!

Se a ideia for se hospedar em uma casa pertinho da praia, a praia da Lagoinha em Ubatuba é o lugar. Com cerca de 3 km de extensão e praticamente rodeada por condomínios fechados, há muitas opções de aluguel por temporada. O mar é calmo e perfeito para as crianças, e quem quiser um pouco de água doce pode ir até o rio Lagoinha e se divertir nas piscininhas formadas quando a maré está baixa. No ano passado, nas férias escolares de julho que na verdade foram em setembro, passamos alguns dias ali numa casa que alugamos pelo Airbnb e foi perfeito. Contamos sobre essa viagem aqui: Como é a praia da Lagoinha em Ubatuba
Um dos acessos à praia da Lagoinha
Rio Lagoinha

Outra sugestão bacana no litoral mas que vai muito além das praias, é Santos. Pertinho de São Paulo, tem um centro histórico interessante e muitas atrações para as crianças. Quem conta é o blog Viajante Econômica, neste post completinho: Santos com crianças - dicas para divertir a garotada

Para quem quer dicas de passeios de um dia só, os zoológicos são ótimas opções. O Zooparque Itatiba, a 100 km da capital, é um passeio perfeito para um dia. Ocupando uma área de 500 mil m2, o zooparque tem mais de mil animais e foi planejado para ser mais um espaço de lazer que promove consciência ambiental que um simples zoo. Além da trilha principal, há algumas trilhas temáticas (Pantanal, Mata Atlântica e Amazônia), uma mini-fazenda, um Jardim Sensorial e a atração mais recente, o Museu de Evolução e Biodiversidade - um espaço incrível e super bem feito, onde dá para aprender muito.
O post completo sobre o Zooparque Itatiba é esse: Como é o Zooparque Itatiba no interior de São Paulo.
Elefantes no Zooparque Itatiba
Museu da Evolução e Biodiversidade

Na própria capital fica o Zoológico de São Paulo, considerado o maior zoo do Brasil e que já existe há mais de 60 anos, sendo um passeio bem conhecido e tradicional na cidade. Ocupando uma área imensa de mata atlântica, conta com mais de 3 mil animais e outras duas atrações: o Zoo Safari (onde se entra de carro em um recinto com alguns animais) e o Mundo dos Dinossauros (um espaço com dinossauros robotizados). O zoo oferecia também algumas visitas diferenciadas, como um passeio noturno e visitas monitoradas, temporariamente suspensas por conta da pandemia.
Contamos como foi nossa visita aqui: Zoológico de São Paulo com 3 malinhas
Lago no Zoológico de São Paulo
Mundo dos Dinossauros dentro do Zoo de SP

 👉 Dica de mãe viajante: se puder, evite os finais de semana e feriados! Durante a semana os lugares ficam bem mais vazios, tornando os passeios muito mais tranquilos.

Que tal um almoço ao ar livre, com muito espaço para as crianças correrem e brincarem? O Restaurante Spiandorello, entre Jundiaí e Jarinu (a 70 km de São Paulo) é o local perfeito pra isso: tem jeitão de fazenda antiga, comida deliciosa, parquinho e muito espaço ao ar livre. E ainda dá para aproveitar a viagem e parar em algumas adegas da região, como contamos nesse post: O que fazer em Jarinu (SP) com malinhas
Área externa do Restaurante Spiandorello
Lago com patinhos

Outro lugar bem pertinho de São Paulo (80 km) e que tem muitas opções de passeios ao ar livre é Guararema. A gente adora passear por lá e um dos nossos lugares preferidos é o Parque Municipal da Pedra Montada - um parque bem estruturado, com trilhas fáceis, cujo maior atrativo é uma escultura natural formada por duas pedras, uma equilibrada em cima da outra. As crianças amam também a Pedra do Tubarão, uma curiosa formação rochosa que lembra perfeitamente um tubarão. Guararema também oferece um passeio de trem até o distrito de Luís Carlos, curtinho e na medida para uma manhã ou uma tarde agradáveis. E por fim, não pode faltar uma caminhada no Recanto do Américo, um parque à beira do rio Paraíba do Sul, com pontes suspensas que viram uma aventura.
Temos um post com todos as atrações de Guararema aqui: Roteiro em Guararema com 2 malinhas
Pedra do Tubarão no Parque da Pedra Montada
Recanto do Américo
Distrito de Luís Carlos

E lugares fechados, será que dá para arriscar? Baseado na nossa experiência, diria que sim, desde que os locais respeitem as restrições de número de visitantes.
Um lugar super bacana que visitamos recentemente e foi bem tranquilo foi o Museu das Ilusões, localizado dentro do Shopping Eldorado. As visitas são agendadas com número bastante restrito de visitantes, os experimentos ficam espalhados em salas espaçosas e os funcionários ficam constantemente limpando os locais onde os visitantes põem as mãos. Embora esteja dentro de um shopping, consideramos um passeio bastante seguro - e divertidíssimo, nós adultos e os malinhas adoramos e tiramos fotos ótimas! Contamos tudo neste post: Como é o Museu das Ilusões em São Paulo
Entrada do Museu das Ilusões
Casa Maluca

Sabemos que várias outras atrações culturais em São Paulo estão operando dessa maneira (visitas agendadas e restrição do número de visitantes), entre eles o Catavento Cultural, a Pinacoteca e o Farol Santander, mas como não estivemos recentemente em nenhum deles não podemos deixar nossa impressão aqui - mas vale pesquisar nos respectivos sites e acompanhar nas redes sociais. Quem for em qualquer um deles depois conta pra gente como foi?

Espero que as dicas ajudem e que em breve possamos passear e viajar sem tantas restrições, não é mesmo? Por ora, vamos aproveitar as férias, descansar e renovar as esperanças de volta à normalidade no segundo semestre (praticando o otimismo aqui 😉 porque a realidade não anda fácil).

📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍
Planeje sua viagem! 
Utilizando os links dos nossos parceiros abaixo, você não paga nada a mais e nos ajuda a continuar produzindo conteúdo bacana e atualizado.
🚗 Alugue um carro aqui: Rentcars
🛫 Compre passagens aéreas aqui: Passagens Promo
🏥 Contrate o seguro viagem aqui: Seguros Promo - use o cupom ENTREMOCHILAS5 e ganhe 5% de desconto!
📚 Compre livros e muito mais aqui: Amazon
📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍

- Salve essa imagem no seu Pinterest 👇-


Como é a hamburgueria temática Vassoura Quebrada, em São Paulo

terça-feira, 15 de junho de 2021

Post especial para os fãs de magia e bruxaria e Pottermaníacos - encontramos uma filial do Caldeirão Furado em São Paulo! Ok, não é exatamente o Caldeirão Furado, pois esse nome faz parte dos nomes licenciados sob a marca Harry Potter. Mas ainda assim é um local que utiliza de todos os elementos do universo mágico da bruxaria, e por isso mesmo encanta os fãs.

Numa rua sossegada e bem residencial do bairro da Pompéia, na cidade de São Paulo, fica o Vassoura Quebrada - uma hamburgueria temática que se aproveita do espaço de uma antiga casa para dar vida ao ambiente "bruxesco".
A casa - um sobradinho antigo - é bem pequena e abriga uma lojinha e um espaço meio biblioteca/meio estufa no térreo, enquanto os espaços destinados ao restaurante propriamente dito ficam na parte de cima.
O interessante é que todos os cômodos foram super bem aproveitados e decorados com todos os detalhes para dar aquele clima. Logo na entrada somos recepcionados por um pezão monstruoso e muitos pôsteres temáticos (que podem ser comprados na lojinha).
À esquerda da entrada fica a lojinha, que além dos souvenirs de sempre (camisetas, chaveiros, copos, bottons) vende também os pôsteres e vários livros - esses sim com personagens e temas originais dos personagens de J.K. Rowling.
Do lado direito da entrada fica a "estufa", decorada com muitos livros, objetos e "ingredientes" utilizados para fazer poções. Ali também há algumas poucas mesas para as refeições - não recomendo muito, pois a temperatura é mesmo de estufa, uma vez que não há janelas e o teto é de vidro.
Subindo a escada, o ambiente fica mais sombrio - o corredor escuro é todo decorado com quadros assustadores e pouco iluminado por algumas luminárias estilo Hogwarts.
Na parte de cima há dois salões pequenos, que seguem o mesmo estilo de decoração e são super fotogênicos - iluminação fraquinha, paredes meio quebradas, quadros tortos, prateleiras com frascos de poções... tudo bem "bruxesco".
E aí vocês me perguntam: mas a comida é boa? Sim!! O cardápio não é extenso: algumas opções de aperitivos, hambúrgueres, bebidas (algumas alcoólicas) e sobremesas, mas tudo que experimentamos estava delicioso e foi servido muito rápido. E tudo super temático! As bebidas são coloridas e têm nomes alusivos a elixires e poções, o chope é de abóbora (muito bom) e a imitação da cerveja amanteigada (chamada cerveja espumosa) é na verdade um milkshake delicioso (há também a versão alcoólica).
Nós pedimos um combo de entrada, um hambúrguer cada um, o chope de abóbora, alguns "elixires" não alcoólicos e a deliciosa cerveja espumosa - levamos o que sobrou para casa e ainda assim comemos muito bem!

👉 Funcionamento e cardápio:
O Vassoura Quebrada abre de terça a domingo e só atende através de reservas, que devem ser feitas pelo site - as vagas da semana ficam disponíveis a partir da segunda-feira. Quando fomos lá, em fevereiro/2021, fiz a reserva na segunda assim que o site abriu, pois a procura é alta especialmente para os fins de semana.
Como o atendimento é agendado, cada reserva garante 1h30 de permanência no restaurante - o suficiente para comer com calma e ainda tirar fotos à vontade, pois o local é pequeno. Assim que entramos fomos informados de tudo isso e já fizemos o pedido, para aproveitarmos ao máximo o tempo lá dentro. A comida vem rápido e o cardápio pode ser acessado por aqui (eles também atendem por delivery na cidade de São Paulo).

👉 Localização e horários:
Endereço: Rua Desembargador do Vale, 836, Pompéia, São Paulo/SP
Todos os detalhes de como chegar, como entrar em contato, horários de funcionamento e delivery estão no site www.vassouraquebrada.com.br.

👉 Como chegar:
Nós fomos de carro seguindo as instruções do Waze e não foi difícil encontrar um lugar para estacionar. O Vassoura Quebrada fica numa rua tranquila e predominantemente residencial.

🔎🔍

⇝ A gente adora passear em São Paulo - e temos um post só com dicas do que fazer em São Paulo com crianças.

📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍
Planeje sua viagem! 
Utilizando os links dos nossos parceiros abaixo, você não paga nada a mais e nos ajuda a continuar produzindo conteúdo bacana e atualizado.
🚗 Alugue um carro aqui: Rentcars
🛫 Compre passagens aéreas aqui: Passagens Promo
🏥 Contrate o seguro viagem aqui: Seguros Promo - use o cupom ENTREMOCHILAS5 e ganhe 5% de desconto!
📚 Compre livros e muito mais aqui: Amazon
📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍

- Salve essa imagem no seu Pinterest 👇-