Para viajar sem sair de casa - 10 biografias de mulheres incríveis

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Aos poucos os lugares vão reabrindo (não vou entrar no mérito do julgamento se o momento é adequado ou não), mas a vida está longe de estar normal. A liberdade de ir e vir - e passear e viajar do jeito que gostamos - ainda não voltou e é possível que demore ainda um bom tempo até possamos sair de casa novamente sem preocupações. Enquanto isso, viajamos de outro jeito! Aquela velha maneira de viajar sem sair de casa através da leitura ainda continua em alta por aqui e achei que valia a pena fazer uma lista de 10 biografias interessantíssimas de mulheres marcantes - já há algum tempo me comprometi a ler mais autoras e histórias de mulheres, e tenho conseguido cumprir essa resolução com sucesso. 
O que essas mulheres extraordinárias têm em comum? Todas elas, sejam em que época tenham vivido (ou estejam vivendo), de alguma forma alteraram o destino esperado delas - e é exatamente o que torna a vida delas tão interessante.

1- Rita Lee - Uma Autobiografia (Rita Lee, ed. Globo Livros)
Rita Lee é uma das cantoras mais importantes e revolucionárias do cenário musical brasileiro - eu me lembro até hoje do escândalo que eram suas atitudes consideradas "pouco femininas", ou do choque que causou aquela icônica capa de disco onde ela e seu marido Roberto de Carvalho estão sem roupa. Rita Lee marcou minha infância pois minha irmã adorava as músicas dela, e cresci ouvindo Baila Comigo e Nem Luxo, Nem Lixo - me intrigavam as letras irreverentes e os duplo sentidos que não entendia na época 😊 Nessa autobiografia escrita pela própria Rita, podemos acompanhar sua infância e toda a sua trajetória pessoal e artística, contadas de maneira muito bem-humorada. Hoje, já septuagenária, ela vive reclusa com seu marido e muitos bichos num sítio, mas com a pandemia ela tem aparecido bastante nas redes sociais e participado de várias lives, sempre com aquele seu humor cáustico e irreverente.
Super recomendo esse livro, mesmo para quem não é fã.

2- A assinatura de todas as coisas (Elizabeth Gilbert, ed. Alfaguara)
Essa é uma biografia mas de um personagem fictício 😏 Este livro, da mesma autora do mundialmente famoso Comer, Rezar, Amar, é a história de vida de uma botânica, baseada em diversas mulheres botânicas que viveram no século XIX: Alma Whittaker, filha única e herdeira de grande fortuna nascida nos EUA no início dos anos 1800. Criança curiosa, acaba seguindo os passos do pai nas ciências naturais e após uma estranha e trágica relação com um jovem desenhista de orquídeas, ela sai pelo mundo para descobrir seu paradeiro. Inúmeros são os paradigmas quebrados por Alma, numa época em que mulheres não estudavam, não viajavam, e muito menos eram reconhecidas pelo seu trabalho científico. Mesmo não sendo real, Alma é uma mulher incrível e muito além do seu tempo.

3- Minha História (Michelle Obama, ed. Objetiva)
Tenho a maior admiração pelo casal Obama e fiquei muito curiosa em ler a biografia de Michelle assim que foi lançada. Contada em primeira pessoa num tom intimista mas sem ser exageradamente emocional, ela começa na sua infância e vai até o fim do segundo mandato do marido, quando deixam a Casa Branca. O retrato que aparece é de uma mulher muito inteligente, com uma formação familiar sólida e totalmente ciente do papel que teve nas eleições e ao longo dos 2 mandatos de Barack Obama, com um olhar muito crítico à sociedade americana. Acho impressionante a consciência que ela demonstra desde o começo do poder de influência e de transformação que teve, e ainda tem, ao mesmo tempo que procurava preservar a vida pessoal da família o mais normal possível. Uma mulher forte e determinada que foi muito além do papel de primeira-dama tradicional.

4- Mamãe & Eu & Mamãe (Maya Angelou, ed. Rosa dos Tempos)
A norte-americana Maya Angelou foi uma escritora, poetisa e ativista dos direitos civis, figura muito influente na cultura afroamericana dos EUA, autora de diversos livros autobiográficos. Neste livro em específico ela aborda a relação com sua mãe, de quem ficou afastada até os 13 anos, numa jornada de reconciliação com altos e baixos, mas sempre com o amor como base. Eu pessoalmente fiquei muito impressionada com a figura da mãe de Maya, Vivian Baxter, uma mulher forte e determinada, empresária dos mais diversos ramos e que ao longo da vida não se deixa abater por nada.

5- Miss Brontë (Juliet Gael, ed. Larousse)
Esse livro é a biografia romanceada de Charlotte Brontë, autora inglesa do consagrado romance Jane Eyre. Baseado nos fatos conhecidos de sua vida a autora acrescenta detalhes, explorando sua relação com o único irmão, as duas irmãs e o pai viúvo, bem como sua trajetória para publicar seus livros e de suas irmãs e seu tardio casamento (tardio para a época, pois tinha apenas 37 anos). Ela morreu cerca de um ano após o casamento, grávida do primeiro filho. É o retrato da Inglaterra vitoriana, uma época bastante hostil para as mulheres que se atrevessem a ser mais que esposas e mães, e é muito interessante observar o embate de Charlotte ao longo do livro, entre os seus reais desejos e o que ela julgava serem suas obrigações para com o pai e a sociedade. Depois de ler esse livro tive que reler Jane Eyre, pois não me lembrava dos detalhes, e impressiona a semelhança entre a autora e sua mais famosa personagem.

6- Nosso lugar - O caminho que me levou à luta por mais mulheres na política (Tabata Amaral, ed. Companhia das Letras)
Tabata Amaral é uma jovem deputada federal - na verdade a mais jovem - eleita pelo estado de São Paulo nas últimas eleições. À época das eleições fiquei impressionada com seu discurso e sua firmeza, apesar de ter apenas 24 anos - dei a ela meu voto e passei a acompanhá-la desde então. Nascida na periferia de São Paulo, teria a trajetória de tantas outras crianças de periferia pobre se não houvesse se destacado na escola, o que a levou a ganhar inúmeros prêmios acadêmicos e uma bolsa em uma ótima escola de São Paulo. Isso abriu o caminho para que ela conseguisse estudar e se formar em Harvard, uma das universidades mais renomadas do mundo. Apesar de tão pouca idade, ela tem uma clareza de pensamento e de propósitos que muito marmanjo velho nunca vai ter, além da força de vontade de se aventurar na política - que se tornou razão maior desse livro, servir de inspiração para outras mulheres. Sua intenção nessa curta autobiografia é provar que a educação pode abrir oportunidades a todos, e que é urgente e necessário que o cenário político brasileiro tenha maior participação das mulheres e mais diversidade em geral. É um retrato muito atual do Brasil e uma leitura inspiradora principalmente para os mais jovens.

7- Vidas Muito Boas - As vantagens do fracasso e a importância da imaginação (J.K. Rowling, ed. Rocco)
Escrito pela consagrada autora da saga Harry Potter, esse livrinho não é bem uma biografia . e sim uma versão do famoso discurso que a autora deu como paraninfa na Universidade de Harvard em 2008. Escrito em primeira pessoa, ela se baseia em suas próprias experiências pessoais e seus fracassos para criar um texto muito inspirador, exaltando a importância da criatividade humana como fator essencial para sermos capazes de praticar a empatia. Um livro baseado num discurso pode parecer até enfadonho, mas esse é muito bem escrito - nem se podia esperar menos de J. K. Rowling - e dá vontade de mantê-lo na cabeceira, para ser lido quando se precisa de um soprinho de otimismo (que todos estamos precisando ultimamente, não é mesmo?)

8- A saideira: Uma dose de esperança depois de anos lutando contra a dependência (Barbara Gancia, ed. Planeta) 
Neste livro, a jornalista Barbara Gancia conta sua trajetória na luta contra o alcoolismo, entremeada de histórias tragicômicas e mesclando suas experiências profissionais e pessoais. De maneira leve e até divertida mas ainda assim com seriedade, ela intercala trechos de sua vida com reflexões sobre o vício, e todo o caminho que percorreu até admitir que de fato tinha um problema com a bebida. Embora as histórias sejam contadas de forma engraçada, é inegável a seriedade com que Barbara encarou seu vício e assim conseguiu mantê-lo sob controle. Acho que todos que um dia já conviveram ou ao menos conheceram um alcoólatra vão reconhecer diversos comportamentos e atitudes, assim como o sofrimento e desgaste familiar que o alcoolismo causa. Um livro tocante sem ser piegas.

9- Eu sou Malala (Malala Yousafzai, ed. Companhia das Letras)
A jovem Malala ganhou destaque mundial quando foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 2014 - e ganhou. Símbolo da luta pelo direito das meninas à educação, neste livro podemos acompanhar a trajetória dessa jovem paquistanesa, nascida no Vale do Swat, desde sua infância até seu autoexílio na Inglaterra. Ao longo da sua história vamos entendendo um pouco da história da região, alvo de disputa de vários povos diferentes por conta de sua geografia, e como isso afetou a vida dos habitantes dali - inclusive a de Malala, proibida pelo Talibã de ir à escola, assim como todas as meninas. Defensora da educação para todos desde pequena, aluna exemplar, filha de um professor e criadora de um blog em inglês pelo qual ficou conhecida no ocidente, ela acabou sofrendo um atentado do Talibã em 2012 e quase morreu. Dois anos depois, ganhou o Nobel e continua militando em prol da educação, sendo uma das vozes mais influentes no mundo sobre esse assunto.

10- Elza (Zeca Camargo, ed. Leya)
Essa é uma biografia-homenagem, onde Zeca Camargo conta a história de Elza Soares mesclando detalhes de sua vida com pequenas inserções de lembranças da própria. O projeto editorial do livro é maravilhoso (amantes de livros físicos entenderão!), desde a fonte utilizada até as lindas fotos que aparecem em meio à narrativa. Elza Soares é um ícone da música brasileira e influência para muitos cantores, mas teve uma vida atribulada e cheia de altos e baixos. Uma menina pobre que foi mãe muito cedo, enviuvou igualmente cedo, teve uma filha sequestrada e um filho que morreu de fome, se tornou amante de um ídolo do futebol (com quem depois se casou) e lidou com seu alcoolismo, perdeu a mãe num acidente trágico, perdeu outro filho em outro acidente, entrou em depressão.... as tragédias são tantas que poderiam constar numa novela mexicana, mas ela parece sempre renascer de alguma maneira. Aos 90 anos (não declarados) continua ativa, embora tenha sérios problemas de locomoção e só consiga se apresentar sentada, e mais que nunca é reconhecida pelo seu talento e sua marca no meio artístico. Mesmo quem não conhece sua música a fundo, como eu, se impressiona com sua trajetória de vida e seu talento para passar pelas adversidades.

💡 Dicas de uma leitora experiente 
✔  Como livros não são exatamente baratos, fazer trocas é uma ótima opção para obter novos exemplares e girar a roda da leitura! Alguns dos livros desta lista eu acabei comprando, mas outros troquei pelo Skoob, uma rede social direcionada à troca de livros.
✔ Aproveite as promoções! Sites como a da livraria Saraiva e a Amazon fazem promoções com frequência, especialmente em datas especiais como Dia das Mães, Natal... Já fiz ótimas compras para mim e para as crianças aproveitando promoções. Sites de sebos como o Estante Virtual também podem ser uma boa opção para comprar livros mais em conta.
✔ Comprar e-books também normalmente sai mais em conta que comprar livros físicos - eu inclusive adquiri um Kindle neste período de isolamento em casa, porque me incomodava ler no tablet. Embora goste mais dos livros em papel, os livros eletrônicos abrem todo um leque novo de possibilidades, além de serem mais práticos para carregar por aí e não ocuparem espaço em casa nem na bolsa (ou mala).

Mais dicas para viajar sem sair de casa? Tem vários posts aqui no blog:

- Salve essa imagem no seu Pinterest 👇-

9 Livros sobre dinossauros + 1 sobre o universo - uma viagem jurássica

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Já contei aqui que temos um pequeno especialista em dinossauros em casa - meu malinha de 7 anos ama esses répteis pré-históricos, sabe um monte sobre eles e é um aficcionado da trilogia Jurassic Park e os subsequentes Jurassic World.
E como ele gosta de ler, nem preciso dizer que tem uma extensa biblioteca sobre dinos - os parentes e amigos, já sabendo do seu interesse, acabam sempre dando de presente livros com temática de dinossauros. Além disso, em qualquer livraria que vamos, essa área o atrai como um ímã, e ele acaba nos convencendo a adquirir mais um livro para sua coleção.
Propus a ele então que fizesse uma lista com os melhores livros para que outros pequenos dinolovers também possam aprender um pouco mais sobre os dinos - separamos 9 deles e mais um, que não é exatamente sobre dinossauros mas explica como surgiram e como desapareceram, em meio à história da vida na Terra.

1 - Mordisco - o guia dos dinossauros (de Emma Yarlet, ed. Ciranda Cultural)
Esse livro é uma graça, e os menorzinhos vão amar descobrir os pequenos detalhes em cada página. Mordisco é um monstrinho muito arteiro e guloso, que adora comer... livros! Ele entra num guia de dinossauros e depois de devidamente apresentado - nome, espécie, etc -  começa comer partes do livro, enquanto foge para não ser comido pelos dinossauros. As diferentes espécies de dinos também são apresentadas, conforme Mordisco passa de uma página para outra, sempre "comendo" sua fuga.
Para quem se apaixonar pelo monstrinho, há outros dois livros dele: Mordisco - O monstro de livro e Mordisco - A caçada monstruosa.

2 - A Inacreditável, porém verdadeira, história dos dinossauros (de Guido Van Genechten, ed. Brinque Book)
Todo dinolover legítimo sabe que os dinos desapareceram mas deixaram descendentes: as aves! E nesse livro adorável uma galinha resolve ir mais longe na sua árvore genealógica para deixar seu álbum de família mais interessante e inclui seus ascendentes mais distantes - podemos ver então uma linda família de velociráptors, fotos dos diplódocos... Sempre de uma maneira bem humorada, a galinha vai costurando seu álbum e contando sobre seus "parentes". As ilustrações são cômicas e cheias de detalhes engraçados!

3 - Mini curiosos descobrem os dinossauros (de Clarice Uba, ed. Lume Livros)
Um livro fofo para aqueles que ainda estão iniciando nessa jornada jurássica 😄 Voltado para os pequeninos, com ilustrações delicadas e coloridas, o leitor é apresentado a diferentes espécies de dinos - e descobre que o famigerado tiranossauro, por exemplo, era um grandalhão com bracinhos minúsculos. Como não tem uma história, dá para ser folheado a qualquer momento e consultado sempre que desejado - e pode ser uma boa alternativa para os recém-alfabetizados, pois utiliza termos simples e o tamanho dos textos não assusta.

4 - 101 coisas que você deveria saber sobre dinossauros (de Niko Domínguez, ed. Ciranda Cultural)
Em formato de guia com verbetes numerados - 101 no total, conforme o título - esse livro conta detalhes e curiosidades sobre os dinossauros: características físicas, onde viveram, o que comiam, com quais outros dinos conviviam... Mais um livro que não é cansativo para leitores iniciantes, embora seja menos infantil - as ilustrações são mais realistas e o vocabulário um pouco mais difícil. Mas dinolovers como o meu, metidos a paleontólogos, vão amar e logo estarão desfilando o conhecimento adquirido, no formato de nomes difíceis 😂 Esse livro também faz parte de uma coleção de 101 coisas que você deveria saber: há um sobre piratas e outro sobre castelos medievais (mas algo me diz que esse sobre dinos é o mais procurado...)

5 - Gigantossauro (de Jonny Duddle, ed. Brinque-Book)
Esse é um livro adorado aqui em casa e já foi lido e relido à exaustão. Uma história fofa de 4 amiguinhos, filhotes de diferentes espécies de dinos, que como crianças que são passeiam na floresta buscando diversão. Mas foram avisados pelos pais para tomar cuidado com o Gigantossauro, um grandalhão cujos pés fazem TUM e a boca faz TCHUM! O texto todo rimado junto às ricas e detalhadas ilustrações faz os pequenos amarem esse livro - sucesso garantido para dinolovers ou não.

6 - O Dino-Glossário Definitivo de Dinossauros (ed. Happy Books)
Este é um livro bem mais científico e robusto. Página a página, distribui os animais conforme a época em que viveram (período cretáceo, jurássico, etc) e dá detalhes muito interessantes de cada espécie, assim como informações mais gerais sobre os fósseis e outras curiosidades científicas. Meu pequeno ama esse livro porque ele ama os dinos mais ferozes - e a capa dele já é um aviso do conteúdo, não é mesmo? O bacana dele é que é detalhado sem ser pesado para os pequenos leitores.

7 - Dinossauros (de Nat Lambert, ed. Catapulta Junior)
O maior atrativo desse livro em formato de caderno é ter um esqueleto de dinossauro para montar. Apesar do material não ser resistente a muito monta-desmonta, não há como negar o apelo de poder montar seu próprio dino! Dentro, muitas curiosidades e informações sobre diversas espécies, num formato bem fácil de entender e com muitas ilustrações. Apesar de bem "científico", é um livro mais fininho e simplificado, bom para iniciantes nos assuntos "dinossáuricos".

8 - Horácio - Mãe (de Fabio Coala, Mauricio de Sousa Editora)
Essa dica é para os fãs de histórias em quadrinhos, em especial para aqueles que amam os personagens da Turma da Mônica. Esse livro conta a história do Horácio, aquele tiranossauro bonzinho criado pelo Maurício de Sousa - nos quadrinhos normais ele sempre é um personagem meio tristinho, e nessa versão isso se mantém. Neste livro o leitor acompanha duas histórias, que se entrelaçam e se alternam: a busca de Horácio pela sua mãe, lá na pré-história, e a descoberta de um fóssil de tiranossauro nos dias atuais. Apesar do tom meio triste - Horácio é órfão e a gente sabe disso desde o começo - o valor da amizade e da lealdade é sempre exaltado e o bom coração de Horácio enche essa história de amor. Meu filho ama esse livro e foi uma ótima oportunidade de conversar com ele sobre tristeza e como perdas fazem parte da vida.

9 - Dinossauro (de John Woodward, ed. Lafonte)
Mais um livro super científico! Com muitos detalhes sobre a biologia, os hábitos e onde viveram os mais diversos dinossauros, encontramos esse livro sem querer numa banca de livros usados. As ilustrações detalhadas mostrando a anatomia dos dinos são um atrativo a mais, bem como as informações sobre o dia-a-dia e os hábitos deles.

10 - Big Bang - Como o mundo foi criado (de Julie Andkjaer Olsen, ed. Geraçãozinha)
Esse é um livro sensacional para crianças de todas as idades - afinal, que pai ou mãe nunca se viu numa saia justa quando foi bombardeado de perguntas difíceis do tipo: quem foi o primeiro animal da Terra? Recomendo muito ter esse livro em casa - aqui ele já foi útil em diversos momentos, pois complementa bem o que as crianças aprendem na escola. Tanto para minha filha mais velha, que está estudando os planetas e o surgimento da vida na Terra, quanto para o menor, que começou a aprender os movimentos da Terra (rotação e translação), ele explica de forma muito didática a origem de tudo, desde o Big Bang até os dias atuais. As ilustrações são muito bacanas e o texto é simplificado sem ser infantilizado.

💡 Confiram também aqui no blog o post sobre livros infantis que falam sobre lugares e culturas diferentes, sem distinção de idade: LIVROS INFANTIS PARA VIAJAR SEM SAIR DE CASA

💡 Tem um(a) leitor(a) um pouquinho mais velho(a) em casa? Temos um post só com indicações de livros para crianças maiorzinhas: PARA VIAJAR SEM SAIR DE CASA - 10 LIVROS INFANTIS PARA OS MAIORZINHOS

💡 Mais dicas para viajar com as crianças mas sem sair de casa? Vale conferir essa lista de programas disponíveis na Netflix: FILMES E SÉRIES DA NETFLIX PARA VIAJAR COM AS CRIANÇAS

💡 E para quando pudermos sair de casa novamente, vale conferir essa lista: ONDE VER DINOSSAUROS - DICAS DE PARQUES E MUSEUS NO BRASIL

- Salve essa imagem no seu Pinterest 👇-

Road Trips - nossas dicas e experiências em viagens de carro com crianças

quarta-feira, 15 de julho de 2020

Vivemos um momento de muitas incertezas em relação a diversos aspectos da nossa vida. Um número enorme de negócios foi afetado pela pandemia e pela mudança de comportamento provocada por ela, e sem dúvida quem sofreu (e ainda irá sofrer por um bom tempo) de forma mais avassaladora foi o setor do turismo.
Não acreditamos que o retorno será rápido nem logo, embora já estejam pipocando aqui e ali algumas iniciativas - na nossa opinião, bem prematuras e muito manipuladoras, pois a estratégia de divulgar uma segurança que não existe é altamente enganosa uma vez que ainda não há remédio nem vacina para a Covid-19. Além disso, fazer aquele jogo de "o turismo precisa de você, turista" brinca com a nossa culpa de consumidor e desvia o foco de quem deveria de fato estar ajudando todos os setores econômicos. Mas para além dessas iniciativas, fato é que mesmo que as pessoas se proponham a viajar, os obstáculos são inúmeros - começando pela diminuição drástica da malha aeroviária e os muitos países que fecharam suas fronteiras para turistas de diversas nacionalidades. Pesquisas apontam uma queda de 95% no volume de pessoas voando numa comparação entre 2019 e 2020 (tem uma reportagem bem completa aqui: Os números do tráfego aéreo no Brasil antes e durante a pandemia) e a única certeza é que esses números não vão mudar da noite para o dia - as taxas de contaminação parecem longe de diminuir e a imagem de como o Brasil está lidando com a pandemia fez com que a maioria dos países fechasse as fronteiras para os brasileiros.
Dito tudo isso, a possibilidade mais óbvia é que a retomada do turismo será através de viagens curtas e possivelmente de carro - por falta de opções e também pelo medo de aglomerações. Que tal então investir em road trips? Mesmo com crianças, é possível planejar e curtir esse tipo de viagem, que requer um timing e uma estratégia completamente diferentes de viagens de avião. Neste post vou contar um pouco sobre as viagens mais longas e bacanas que fizemos nos últimos anos e dar algumas dicas de como planejar uma viagem desse tipo e sobreviver por longas horas dentro do carro.


1 - Planejamento
Ok, não precisa ser o(a) louco(a) do roteiro minucioso e planejar quilômetro a quilômetro, mas estudar o caminho e definir algumas possíveis paradas é essencial, especialmente se a viagem vai durar muitas horas. Vale enfatizar aqui que viajar com crianças é totalmente diferente de viajar somente com adultos (se bem que alguns adultos podem até dar mais trabalho 😄) e não dá pra ser vida louca e super espontâneo, apesar da sensação de liberdade que a estrada dá.
Já deixar reservado um hotel no caminho é sempre uma opção mais segura, principalmente quando o plano é ir parando para conhecer diferentes cidades ao longo da viagem. Além de que, com crianças cansadas dentro do carro, fica bem mais difícil e estressante perder tempo procurando hospedagem.
A tecnologia está aí para ajudar, mas nem sempre podemos contar com sinal de internet na estrada para acessar os aplicativos tipo Waze ou Google Maps. Especialmente em viagens muito longas é bom dar uma boa estudada no caminho, avaliar possíveis alternativas e cidades onde pode ser necessário parar. Se puder contar com um mapa impresso ou guia de viagem, melhor ainda!


2- Entretenimento a bordo
Viajar de carro pode ser bem cansativo, especialmente para as crianças, por isso é fundamental ter várias cartas na manga para entretê-las - e jamais usar todas de uma vez! Para nós funciona muito bem o DVD portátil com muitos filmes, livros e gibis, aquelas revistas com passatempos, joguinhos no tablet e algumas guloseimas. Temos sorte porque eles não enjoam no carro - mas também não dormem, o que exige entretenimento o tempo todo. Mas cada criança funciona de um jeito e elas mudam de gosto conforme crescem, então o que funciona hoje pode não funcionar mais na próxima viagem - o negócio é ter várias alternativas e ir testando.

3- Preparo psicológico
Sim, as crianças vão reclamar que a "viagem está demorando muito" e perguntar mil vezes se "falta muito pra chegar" 😄 Crianças que já estão mais acostumadas a viajar por algumas horas desde pequenininhas tendem a reclamar menos, por isso é bom acostumar desde cedo. Conversar com antecedência e explicar mil vezes que a viagem é longa também ajuda, pois pior que a reclamação da demora é ser pego na mentira - aliás, a honestidade é sempre a melhor opção, qualquer que seja o assunto.
Mostrar os lugares no mapa, conversar sobre o que vai ser visto e um pouco da história dos locais, criar boas expectativas... tudo isso ajuda a preparar e manter o espírito leve. Mas sempre vão haver aqueles momentos de saco cheio e cansaço, não há como evitá-los - bom humor e paciência são os melhores remédios para esses momentos.

4- Prepare-se para imprevistos
Pode ser um bloqueio inesperado na estrada, um mal-estar dentro do carro, uma chuva torrencial ou um trânsito absurdo - essas todas são situações que já enfrentamos em algumas das road trips que fizemos. Imprevistos são sempre estressantes, por isso é bom ter jogo de cintura e cabeça fria para tomar decisões. Se atrasar o planejamento inicial, paciência. Vale sempre a regra de colocar a segurança de todos em primeiro lugar. Depois tudo vira história de viagem e experiência para evitar perrengues futuros!


Algumas road trips que já fizemos:

↬ De São José dos Campos-SP (onde moramos) até Prado, no sul da Bahia
Foi a viagem mais longa que fizemos até hoje (1300 km), e a mais recente (final de 2019-início de 2020). Para planejar essa viagem consideramos todas opções de caminhos e paradas, e seguimos muitas dicas de outros blogs de viagem que já tinham feito esse mesmo trajeto. Os detalhes estão neste post: VIAGEM DE CARRO DE SÃO PAULO À BAHIA COM CRIANÇAS: NOSSA EXPERIÊNCIA
Nesta mesma viagem fomos até Cumuruxatiba, um distrito de Prado, conhecendo várias praias entre um e outro, a maioria acessível por estrada de terra. A lista completa consta neste post: PRADO E CUMURUXATIBA: GUIA DE PRAIAS E PASSEIOS

 De Porto Alegre (RS) até Punta del Este, no Uruguai + Serra Gaúcha
Uma viagem que fizemos há alguns anos que requereu um planejamento extra: como atravessar a fronteira com carro alugado. Foi preciso encontrar uma locadora que permitisse isso (as grandes locadoras normalmente não permitem) e providenciasse os documentos necessários sem cobrar um rim. Contamos como foi o processo neste post: URUGUAI E GRAMADO A 4 - ROTEIRO E PREPARATIVOS
Voamos de São Paulo até Porto Alegre, onde pegamos o carro alugado, e percorremos os cerca de 730 km até Punta del Este. Ficamos uma semana no Uruguai conhecendo algumas cidades além de Punta (Punta del Diablo, Montevidéu, Piriápolis), retornamos a Porto Alegre e dali seguimos para Gramado. Foi uma viagem inesquecível e uma das mais longas que já fizemos.

↬ Serra da Mantiqueira e sul de Minas
As estradas que sobem a serra e ligam as cidades mais famosas da região são uma atração por si só. Normalmente são poucos quilômetros de caminho sinuoso mas que compensam pela beleza. Uma das mais bonitas é a estrada que liga Campos do Jordão a São Bento do Sapucaí - cerca de 30 km em meio a paisagens de tirar o fôlego. A estrada que leva a Gonçalves, já em Minas, também merece ser mencionada - além de linda, de alguns pontos é possível ver a entrada da cidade e toda ela espalhada entre as montanhas.
Como moramos perto da serra normalmente fazemos um bate-volta, mas para quem se hospeda em Campos do Jordão, por exemplo, vale muito a pena explorar de carro os arredores.
Tem bastante informação sobre o que fazer na região neste post: MELHORES DESTINOS DE INVERNO NO SUDESTE DO BRASIL

↬ Penedo e a região de Visconde de Mauá (RJ)
Lugares perfeitos para ecoturismo, são muitas as estradinhas e acessos que levam a trilhas e cachoeiras lindas - e sem dúvida a melhor maneira de se locomover é de carro (se for 4x4, melhor ainda!). Moramos a apenas 200 km de Penedo e já passamos um bom período explorando toda a região, percorrendo muitas estradas rurais que guardam paisagens lindíssimas. A principal estrada, que liga justamente Penedo a Visconde de Mauá, tem apenas 30 km de extensão e muitos mirantes que permitem uma vista panorâmica da região.
Temos uma sugestão de roteiro neste post: O QUE FAZER EM 4 DIAS ENTRE PENEDO, ITATIAIA E VISCONDE DE MAUÁ

↬ Serra Catarinense 
Bem menos conhecida que sua irmã gaúcha, a serra catarinense normalmente só é lembrada no inverno, quando as temperaturas baixam muito e cidades como São Joaquim aparecem na TV cobertas de geada. Mas é uma região perfeita para uma road trip maravilhosa, onde a grande estrela (e maior desafio) é a Serra do Rio do Rastro e suas curvas de tirar o fôlego, que liga Bom Jardim da Serra a Lauro Muller. 
Vale se hospedar em alguma das cidades da serra - nós ficamos em Urubici - e ir conhecendo toda a região, ou ainda ir se hospedando em diferentes cidades para não ter que ir e voltar - todas as estradas da serra são extremamente sinuosas e sujeitas a muita neblina, por isso é bom evitar viajar longos trechos à noite.
Fizemos um roteiro bem bacana juntando alguns dias na serra catarinense com 2 dias no Beto Carrero World e 2 em Balneário Camboriú - o post completo é esse: POST ÍNDICE: SANTA CATARINA - PARQUE, SERRA E PRAIA. Como tínhamos pouco tempo, fomos de avião até Navegantes e alugamos um carro para fazer o roteiro todo.

↬ Litoral catarinense a partir de Guarda do Embaú
O litoral de Santa Catarina tem praias incríveis! Já fomos de carro até lá algumas vezes, mas na viagem mais recente nos hospedamos em Guarda do Embaú e fomos conhecer as outras praias por perto: a praia da Pinheira, Garopaba, Siriú, praia do Rosa... todas lindas. A estradinha de terra que segue até Garopaba é uma atração à parte, com belas paisagens. 

O post com o roteiro completo é esse: GUARDA DO EMBAÚ (SC) E ARREDORES COM 3 MALINHAS
A viagem até lá é puxada (são quase 900 km) e muita gente que sai de São Paulo faz uma parada em Curitiba, que fica mais ou menos na metade do caminho. E é importante avisar que no verão os acessos às praias do litoral catarinense estão sujeitos a muito trânsito, especialmente nos feriados e fins de semana.

👉 Vai fazer uma road trip e precisa alugar um carro? Faça uma cotação no nosso parceiro Rentcars - você não paga nada a mais e nos ajuda a continuar produzindo conteúdo bacana e atualizado!

👉 Não somos os únicos que nos aventuramos em viagens de carro com as crianças! Tem mais famílias viajando por aí para te inspirar a pegar a estrada, vale conferir os posts abaixo:


📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍
Planeje sua viagem! 
Utilizando os links dos nossos parceiros abaixo, você não paga nada a mais e nos ajuda a continuar produzindo conteúdo bacana e atualizado.
🏨 Reserve sua hospedagem aqui: Booking 
🚗 Alugue um carro aqui: Rentcars
🛫 Compre passagens aéreas aqui: Passagens Promo
🏥 Contrate o seguro viagem aqui: Seguros Promo - use o cupom ENTREMOCHILAS5 e ganhe 5% de desconto!
📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍📍

- Salve essa imagem no seu Pinterest 👇-

Para viajar sem sair de casa - 10 livros infantis para os maiorzinhos

quinta-feira, 9 de julho de 2020

Continuamos em casa, respeitando o isolamento social devido à pandemia. Mas quem disse que por isso paramos de viajar? Dá para viajar através de filmes e livros também, e isso estamos fazendo bastante!
E assim como esse bloguinho surgiu de perguntas que amigos e conhecidos nos faziam sobre como eram nossas viagens com os malinhas, pais e mães de amigos dos malinhas têm me perguntado sobre quais livros eles gostam de ler - sempre chama a atenção de todos como os dois gostam de ler e estão constantemente carregando algum. E uma informação que senti falta, conforme os malinhas foram crescendo, foi de livros mais elaborados. É fácil encontrar indicações para crianças pequenas ou que estão aprendendo a ler, mas a partir dos 9 ou 10 anos as dicas ficam mais escassas.
Conversei então com minha leitora mais velha (e um orgulho para a mamãe aqui 💗) e analisamos sua já extensa biblioteca para dar dicas de leitura para aquelas crianças que, como ela, já são leitores mais avançados.
O resultado foi uma seleção com um pouco de tudo, de suspense a cordéis, passando por crônicas divertidas, histórias clássicas e até curiosidades históricas, resultando numa lista que minha filha de 10 anos aprova e recomenda. Vem conferir!


1 - Eu sou uma noz (de Beatriz Osés, editora Escarlate)
Partindo de uma realidade absurda - um menino que afirma ser uma noz - a autora constrói uma narrativa super envolvente em formato de julgamento. A cada capítulo é apresentada uma nova testemunha e um novo personagem, de modo que vamos pouco a pouco entendendo o que aconteceu com o menino Omar e as razões de sua surreal afirmação. Uma história comovente de um menino órfão e refugiado que vai conquistando todos que conhece no novo e estranho país, onde vai parar sozinho e sem ter a quem recorrer, operando uma pequena transformação naquela comunidade.
👉 Por que indicamos? O formato de capítulos como "testemunhos" dos personagens é inusitado e prende muito a atenção, além de não ser comum em livros infantis. E apresentar para os nossos filhos um pouco da realidade além do nosso país e as razões pelas quais muitas famílias fogem de seus países de origem - frequentemente em condições precárias e arriscadíssimas - permite conversas necessárias e pouco comuns com as crianças.

2 - Os bichos que tive (de Sylvia Orthof, editora Salamandra)
Esse é um livro divertidíssimo de crônicas, onde a autora conta sobre diversos "animais de estimação" que ela teve durante sua infância - entre eles alguns inusitados como um bicho-de-pé e uma rã! Seu jeito de contar as histórias faz com que as crianças se identifiquem imediatamente com a menina que ela foi: que aprontava confusões e nem sempre se comportava bem. E para as crianças urbanas, como as minhas, tem um atrativo a mais pelo fato da maioria das crônicas se passar no campo, onde as crianças são mais livres para explorar o ambiente externo.
👉 Por que indicamos? O formato de crônicas é sempre bom para leitores iniciantes ou mais preguiçosos, pois são curtinhas e não cansam. E o tom bem-humorado da autora torna muito engraçadas as histórias dos seus relacionamentos com os diversos animais de estimação da sua infância. 

3 - Nas Ruas do Brás (de Dráuzio Varella, editora Companhia das Letrinhas)
Sim, esse Drauzio Varella é o Dr. Drauzio Varella, médico renomado e autor de vários livros adultos, figura que admiro muitíssimo como médico e ser humano. Neto de espanhóis e italianos, neste livro infantil ele conta sobre suas memórias de infância numa São Paulo muito diferente da de hoje, onde imigrantes de várias nacionalidades conviviam (nem sempre de forma muito harmoniosa) num clima de cidade pequena. Mas é impossível não se identificar com as alegrias e tristezas do menino Drauzio, mesmo tendo se passado tantos anos.
👉 Por que indicamos? Esse livro é uma pequena viagem no tempo e desperta aquele sentimento das histórias contadas por um avô às crianças de hoje - aquele misto de fascinação e estranhamento, afinal os avôs também foram crianças, mas num tempo muito diferente do nosso. E para quem conhece a cidade de São Paulo, em especial o bairro do Brás, parece um retrato antigo de um tempo que já passou. 

4 - Quem matou o Saci? (de Alexandre de Castro Gomes, editora Escarlate)
Outro livro em formato inusitado - o Saci, aquele conhecido personagem do folclore, aparece morto em circunstâncias misteriosas. Dois detetives passam a trabalhar na investigação do suposto assassinato, se debruçando sobre os possíveis suspeitos - todos também personagens folclóricos. A cada capítulo, os detetives analisam a ficha de cada um dos suspeitos, investigando seu histórico e quais razões teriam para assassinar o Saci.
👉 Por que indicamos? Esse clima "policial" é instigante e prende a atenção do leitor, assim como acontece nos livros adultos de mistério. E ainda tem o adicional de apresentar aos pequenos uma porção de figuras folclóricas pouco conhecidas (e muito assustadoras) fora de suas regiões de origem.

5 - Como Fazíamos Sem (de Bárbara Soalheiro, Panda Books)
Para quem tem uma criança curiosa em casa esse livro é perfeito! A autora passa o retrato de como se vivia sem determinados objetos - muitos dos quais seria impensável não ter hoje em dia. Alguns são realmente impensáveis, especialmente os que envolvem higiene, como papel higiênico e vaso sanitário. Outros são situações até que recentes, como a lei do divórcio ou sobrenome. Cada capítulo trata de um assunto, e garanto que até os adultos vão se surpreender com a origem de algumas coisas.
👉Por que indicamos? Além de ter uma abordagem curiosa, esse livro apresenta aspectos históricos e sociais que são uma viagem no tempo. Apresentar para essa geração que já nasceu com celular nas mãos e Netflix na tela um cenário diferente da sociedade humana ao longo dos tempos é muito educativo 😄

6 - As Cientistas - 50 Mulheres que mudaram o mundo (de Rachel Ignotofsky, editora Blucher)
As crianças - e especialmente as meninas - que se interessam por ciências vão amar esse compilado de histórias de cientistas. De Paleontologia a Matemática, de Psicologia a Física, esse livro reúne as histórias de vida e as descobertas e invenções de 50 cientistas mulheres ao longo da História. A maioria foi pioneira em seu ramo de atuação e muitas (se não todas) enfrentaram preconceitos e boicotes, isso quando não morreram no anonimato e só foram reconhecidas muitos anos depois. As ilustrações são encantadoras e todas as minibiografias contam detalhes da vida pessoal e da trajetória profissional delas. Minha filha ama ciências e mantém esse livro na cabeceira da cama, e meu malinha menor ficou fascinado em saber que uma das primeiras paleontólogas do mundo não tinha formação acadêmica e morava num local com muitos fósseis, de onde veio seu interesse em estudá-los.
👉Por que indicamos? É maravilhoso poder conhecer um pouco da trajetória pessoal de pessoas que produziram conhecimentos importantíssimos para a humanidade, ainda mais em tempos de tão pouca valorização da ciência. E saber que muitas dessas pessoas foram desacreditadas ou passaram por muita dificuldade para que fossem reconhecidas simplesmente por serem mulheres é um ponto de partida interessante para conversas importantes com as crianças, sejam meninos ou meninas.

7 - Cordéis que Educam e Transformam (de Costa Senna, editora Global)
Minha filha ama esse livro e fez questão de colocá-lo nesta lista. Indicado como livro paradidático na escola no ano passado, quando estudaram cordéis, ela se apaixonou por esse gênero literário. Ajudou o fato do próprio autor, um dos cordelistas mais importantes do Brasil, ter ido até a escola para um bate-papo com os alunos - foi uma emoção poder encontrar um autor pessoalmente!
Realmente é um livro encantador, que aborda temas muito adultos e importantes - como alfabetização, uso de recursos naturais, feminismo, participação política - em forma de cordéis elaborados e muito bem escritos. 
👉 Por que indicamos? O cordel é um gênero genuinamente brasileiro e muito rico. O fato de ser meio poesia meio prosa, de usar um vocabulário mais rebuscado, dos assuntos serem abordados de forma incisiva - é um pacote pouco familiar para crianças, mas que abre um leque enorme de alternativas de discussão e de aprendizagem.

8 - A Conferência dos Pássaros (de Peter Sis, Companhia das Letrinhas)
Adianto que esse não é um livro para qualquer um, e é preciso abrir o coração e mergulhar nas lindas ilustrações para não achá-lo simplesmente estranho e sem sentido 😉 Versão infantil de uma história oriental clássica, conta a jornada de um grupo de pássaros liderados por uma poupa (um tipo de pássaro migratório) em busca de um sábio que teria respostas a todas as suas perguntas e solução para todas as suas mazelas. Nessa viagem, passam por 7 vales, até que descobrem algo que vai mudar a vida de todos eles. Encontramos esse livro sem querer numa banca de livros usados e eu imediatamente me apaixonei pelas ilustrações, sem saber nada sobre a história original.  
👉 Por que indicamos? Nós, seres humanos, não estamos todos sempre em busca de algo que nos complete? Esse livro permite essa reflexão: nossas buscas, nossas dúvidas e como normalmente as respostas estão dentro de nós mesmos.  

9 - Robô Selvagem (de Peter Brown, editora Intrínseca)
Como seria um encontro entre natureza e tecnologia, sem a intervenção do ser humano? Pois esse livro comovente explora justamente essa possibilidade. Uma robozinha programada para sobreviver se vê sozinha numa ilha habitada somente por animais. Acompanhamos como pouco a pouco ela se adapta e se envolve com os nada simpáticos habitantes da ilha, e quando tudo parece bem, uma reviravolta acontece (não vou contar mais para não dar
Só digo que não é um final feliz, mas também não é destituído de esperança - o que eu pessoalmente acho ótimo num livro infantil. Nem sempre os finais são felizes na vida, mas nem por isso devemos perder a esperança, certo?
👉 Por que indicamos? É uma história instigante e muito curiosa sobre natureza x tecnologia, e como uma se adapta à outra. E o final não exatamente feliz, que pode ser até meio frustrante, difere de livros infantis mais tradicionais - e eu particularmente gosto de finais surpreendentes.

10 - Viagem ao Centro da Terra (Julio Verne, várias edições de diferentes editoras)
Esse é um clássico de todos os tempos - eu me lembro quando li, tinha talvez a mesma idade da minha filha hoje, e gostei tanto que li todos os outros de Júlio Verne que me caíram nas mãos. Mas o que torna essa história mais especial que as outras, na minha opinião, é que leva literalmente a outro mundo, numa versão mais radical e meio pré-histórica. Acho incrível ter sido escrito em meados de 1800 e ainda assim se manter atual, ultrapassando gerações.
👉Por que indicamos? Porque clássico não é clássico por acaso, não é mesmo? A história de aventura é ótima e continua prendendo a atenção de crianças ao longo de quase 2 séculos - tanto que já ganhou diversas versões bem-sucedidas no cinema. É a prova que uma história bem contada é atemporal.

💡 Confiram também aqui no blog o post sobre livros infantis que falam sobre lugares e culturas diferentes, sem distinção de idade: LIVROS INFANTIS PARA VIAJAR SEM SAIR DE CASA

💡 Tem um(a) dinolover em casa? 🐉 Temos um post só com indicações de livros sobre dinossauros, escolhidos pelo nosso pequeno especialista e futuro paleontólogo: 9 LIVROS SOBRE DINOSSAUROS + 1 SOBRE O UNIVERSO - UMA VIAGEM JURÁSSICA

💡 Mais dicas para viajar com as crianças mas sem sair de casa? Vale conferir essa lista de programas disponíveis na Netflix: FILMES E SÉRIES DA NETFLIX PARA VIAJAR COM AS CRIANÇAS

- Salve essa imagem no seu Pinterest 👇-