Curitiba com 2 malinhas

Sempre ouvi falar que Curitiba era cheia de coisas pra fazer e conhecer. Há muitos anos havia passado um dia ali, numa volta de Florianópolis, mas foram poucas horas sem foco. Marido e eu então resolvemos fugir da muvuca de um feriado de carnaval e passar uns dias lá com os 2 malinhas, e foi ótimo! Fugimos do calorão que estava fazendo aqui e pegamos um tempo meio friozinho e chuvoso, típico da cidade, o que atrapalhou um pouco conhecermos os parques, mas ainda assim deu pra conhecer muita coisa e os malinhas adoraram.

Ficamos hospedados no Hotel Dan Inn Curitiba, que saiu praticamente de graça pois usamos um programa de fidelidade que tínhamos na época. O hotel é bem antigo e o banheiro precisava de uma reforma, mas nos atendeu bem. Ele fica localizado bem no centro da cidade, próximo ao Teatro Guaíra - como todo centro de cidade grande, tem lugares meio suspeitos e bastante gente dormindo na rua - e por isso não nos aventuramos muito a pé pelas redondezas.

Bem pertinho do hotel fica o Passeio Público, o parque mais antigo da cidade, um misto de parque com mini-zoológico (li que recentemente reativaram também a parte do aquário). Os portões do parque são inspirados nos portões do Cemitério de Cães de Paris.
Passamos uma manhã deliciosa ali, vendo as diferentes espécies de pássaros e macaquinhos, passeando à beira do lago e deixando os malinhas livres pra correr e brincar.

Pertinho do hotel também havia um ponto de parada do ônibus da linha turismo, que percorre a cidade parando nos principais pontos turísticos - paga-se um valor de R$ 40 e é possível parar em até 4 pontos diferentes, dos 24 disponíveis. Os malinhas adoraram andar de ônibus (inclusive rolou até cochilo), uma pena que no dia o tempo estava bem chuvoso e não conseguimos parar no parques, como era nossa intenção.

Uma ótima pedida para dias chuvosos é o Museu Oscar Niemeyer. Além do acervo fixo, há sempre exposições temporárias legais - quando fomos havia uma exposição lindíssima do fotógrafo Sebastião Salgado, as crianças ficaram impressionadas com as fotos. O museu, por si só, é lindo. O valor da entrada é R$ 16.


Um lugar não tão famoso e até meio difícil de achar é a Torre Panorâmica, também conhecida como Torre da Telepar (que agora é Oi). De lá de cima tem-se uma visão 360o da cidade, além de um pequeno museu logo na entrada, contando um pouquinho da história da telefonia e vários aparelhos antigos. Ouvi dizer que normalmente há filas enormes, pois há limite de pessoas para subir - no dia em quem fomos, apesar de feriado, o tempo estava fechado e chegamos bem cedo, por isso foi bem rápido. O ingresso custa R$ 5 e vale muito a pena!

Outro lugar não tão famoso mas muito lindo e cheio de história é o Memorial Ucraniano, no Parque Tingui. Ele é composto de um portal e de réplicas de uma casa típica ucraniana e da capela de São Miguel. O ponto alto do local é a pêssanka gigante (ovo pintado à mão). O memorial foi inaugurado em 1995 em homenagem ao centenário da chegada dos imigrantes.

Infelizmente não conseguimos explorar o parque porque começou a chover... Partimos então para uma outra boa opção em dias chuvosos, o Museu do Automóvel, que tem um acervo muito interessante de carros antigos e alguns carros de corrida. Um prato cheio pra quem gosta de automóveis, como meus meninos! A entrada custa R$ 10.

Um dos cartões postais de Curitiba é a Ópera de Arame, que fica no Parque das Pedreiras, e nada mais é que um teatro de estrutura tubular e teto transparente, rodeado por lagos e cascatas, lindo demais! Fico imaginando como deve ser assistir um espetáculo ali... No dia em que fomos não foi possível entrar no teatro pois parte dele estava em manutenção. E pra nosso azar começou a chover bem quando queríamos passear em volta dele.

Outro cartão postal de Curitiba e passeio imperdível é o Jardim Botânico. Criado à semelhança dos jardins franceses, é um parque lindo e enorme, e o herbário - aquela estufa enorme no meio do parque, inspirada no Palácio de Cristal de Londres - tem muitas espécies de plantas em exposição.
Nós adoramos o Jardim das Sensações, onde é possível ver, tocar e sentir o aroma de mais 60 espécies diferentes. O lago, enorme, tem um monte de peixes. Meu malinha menor amou ficar vendo os peixinhos!

Um dos lugares mais legais que conhecemos nessa viagem foi o Bosque Alemão. Apesar de termos começado pelo que seria o fim dele - o pórtico que representa a fachada de uma casa típica alemã - e não pelo mirante, adoramos tudo! A trilha João e Maria, com painéis de azulejos contando a história, a Casa Encantada (que infelizmente estava fechada), o oratório Bach, o mirante... ao final ainda tomamos um café na lanchonete que fica junto ao oratório.

Como era época próxima à Copa do Mundo, fomos conhecer também a Arena da Baixada, o estádio do Atlético Paranaense, que foi reformado para a copa e hoje é o único com teto retrátil da América Latina. Na época não estavam disponíveis visitas guiadas, por isso só conseguimos ver a entrada e parte do campo, mas nesse link aqui é possível consultar preços e horários dos tours disponíveis atualmente.

Obrigatório também em Curitiba é ir comer num dos restaurantes do bairro Santa Felicidade - apesar de um pouco afastado da cidade (cerca de 7 km), é impossível não experimentar uma das várias cantinas que existem lá. O restaurante mais famoso sem dúvida é o Madalosso. Nós fomos almoçar lá assim que chegamos, não nesse da foto, que é gigante, mas no outro menor que fica do lado oposto da avenida. Nos esbaldamos com as massas, frango frito e polenta!

E reservamos o último dia de viagem para fazer o passeio de trem até Morretes, super famoso pelas suas curvas em meio à vegetação. Contei sobre ele aqui, no post com a nossa classificação dos passeios de trem. Apesar do tempo fechado e chuvoso, a viagem é impressionante nos trechos em que o trem parece estar flutuando no meio da floresta.


Dicas & Conclusões:

Curitiba é uma cidade ótima para visitar em família. Tem um pouco de tudo e dá pra fazer vários passeios num mesmo dia, pois apesar da cidade ser relativamente grande, com um pouco de planejamento é possível ir em locais próximos uns dos outros.
Ficamos meio frustrados por não termos conseguido conhecer os parques - como fomos de carro, tínhamos até levado as bicicletas dos malinhas! Mas o tempo muito chuvoso não colaborou para passeios ao ar livre 😞 - inclusive não conseguimos nem conhecer o centro histórico, que tem várias atrações.
O mesmo para o ônibus da linha turismo - tínhamos planejado usá-lo o dia todo, mas por causa da chuva (e de 2 malinhas que dormiam com o balancinho do ônibus 😂), não conseguimos aproveitá-lo como queríamos.
Fomos de carro e, bom, a BR-116 (Rod Regis Bittencourt), que liga São Paulo a Curitiba, está longe de ser uma das minhas estradas favoritas: tem muito caminhão e obras intermináveis há vários anos. Não tem uma viagem nossa que não envolva trânsito e/ou acidente que para tudo e/ou chuva. Assim, embora sejam pouco mais de 500 km, levamos de 7 a 8 horas até lá. Indo de avião, eu aconselharia alugar um carro pra poder se deslocar melhor - nós andamos de carro por lá sem problemas.
Um feriado prolongado, como o que fomos, é a medida para conhecer os principais pontos da cidade. Ainda que queiramos repetir a viagem com tempo mais amigável...
O passeio de trem a Morretes toma o dia todo, portanto, quem quiser inclui-lo na programação tem que reservar o dia pra isso.


Links úteis:
Portal da prefeitura de Curitiba -> www.curitiba.pr.gov.br
Instituto municipal Curitiba turismo -> www.turismo.curitiba.pr.gov.br
Institucional Rod. Regis Bittencourt -> www.autopistaregis.com.br
Site URBS -> www.urbs.curitiba.pr.gov.br/transporte/linha-turismo
Curitiba no Férias Brasil -> www.feriasbrasil.com.br/pr/curitiba/oqueverefazer.cfm
Curitiba na Viagem e Turismo -> viagemeturismo.abril.com.br/roteiros/roteiro-de-48-horas-em-curitiba-com-museus-parques-e-restaurantes

Comentários